Pub
Por: Emanuel Brito

Emanuel Brito2

Às vésperas do debate sobre o Estado da Nação, no Parlamento, os Deputados do Grupo Parlamentar do Movimento para a Democracia (MpD) promoveram uma Jornada Descentralizada no Municipio de São Domingos. Nada contra!

Entretanto, o facto que escapa à nossa compreensão e ganha contornos de desonestidade intelectual e falseamento da verdade foi o retrato feito, logo de seguida, aos Órgãos de Comunicação Social, e que levaria o observador, minimamente atento a perguntar: “Mas, afinal que São Domingos é esse que eu não conheço?”

É que São Domingos, neste momento, depara-se com dificuldades mil fruto de quase um quarto de século de governação de sucessivas equipas camarárias desprovidas de ideias, projectos e de visão transformadora do futuro.    

Por obra deste completo descaso, falta de capacidade de inovar, má gestão da coisa pública e vontade de catapultar as relevantes potencialidades do culturais e turísticas do Concelho - além da oferta de sol e mar, dispõe de uma orografia propícia ao investimento no turismo de montanha e na vertente ecológica - o resultado está aí à vista desarmada: famílias a viverem em situação de grave penúria e extremamente desesperançadas tendo em conta que, cada dia que passa, estão sujeitas a mais encargos e despesas, sem que haja qualquer melhoria nos seus parcos rendimentos.

Tanto assim é que os problemas existentes tendem a agudizar-se em razão da:  

  • Implementação falhada do Plano de Mitigação do mau Ano Agrícola num Concelho em que a maioria da população vive da agricultura e da criação de gado;
  • Falta de emprego jovem e ausência de apoios social e escolar;
  • Escassez gritante de água tanto para consumo como para a agricultura;

há localidades com três/quatro meses sem receber água potavel para consumo, adquirindo o liquido precioso através de privados, a um valor de 250$00 cada baril;

  • Subida da tarifa dos transportes.

Por outro lado, os Deputados do Partido que suporta o governo esqueceram-se, propositadamente, de aludir :

  • Aos 45 mil postos de trabalho prometidos, pelo MpD, na campanha;
  • Aos 10 milhões de Euros mobilizados, junto à Comunidade Internacional, para fazer face ao Mau Ano Agrícola;
  • À dignidade laboral, mediante aumento salarial e cedência de apoios sociais prometidos pelo Governo;
  • À notória escassez de equipamentos comunitários para a prática do desporto e fomento de inciativas culturais;
  • Ao facto de o Concelho não dispor  de uma ambulância adequada, pelo que o transporte dos doentes para a capital, muitas vezes, têm sido feitos em Hiaces ou em carrinhas de caixa aberta;
  • Aos dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE) que indicam que o Município de São Domingos é detentor do segundo maior aumento da taxa de desemprego ao nível nacional.

De referir ainda que durante a sua estada em São Domingos o grupo parlamentar do MpD promoveu um encontro com os agentes da cultura e os desportistas do concelho que redundou num competo fiasco.

A propósito dessa reunião convém questionar o porquê de não se ter permitido a entrada de TCV para captar as imagens do encontro? Será porque compareceram, apenas, 10 pessoas num Concelho que em cada cinco pessoas, pelo menos dois sabem tocar um instrumento musical e onde mais 200 praticam diferentes modalidades desportivas?

Face ao exposto, a conclusão que emerge é que o Estado do Municipio de São Domingos é, deveras, preocupante.

Por isso, longe, muito longe mesmo do retrato fantasioso que a atual maioria, insiste, teimosamente, em pintar!



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-2 # Paulo de Rui Vaz 23-07-2018 16:50
Sinceramente conteúdo muito fraco por uma pessoa que aspira altos voos e ademais de alguém que éticamente falando deveria fechar os bicos não somente por causa de assédio sexual mas também por causa de corrupção ( fundo ambiente). Haja lata Sr. IMA.
Responder
-1 # britola 23-07-2018 12:06
Infelizmente, não se nota nesta gentalha do PAICV capacidade nenhuma de melhor fazer para o município e para Cabo Verde. Uma pessoa que não sabe pensar e pior ainda ter ideias de projetos de desenvolvimento valiosos. Não obstante, deram provas de saber roubar o estado. Até ainda, estamos a espera da resposta dos roubos ocorridos na administração pública. Nem vale a pena trocar palavras com esse gajo porque o texto dele está incoerente, vazio e sem ideias - e nem queria dizer que não sabe escrever português mas sou obrigado a fazé-lo porque é que mais destaca na visão dele...

"10 pessoas num Concelho que em cada cinco pessoas, pelo menos dois sabem tocar um instrumento musical e onde mais 200 praticam diferentes modalidades desportivas" - devias colocar a fonte que lhe deu estes dados estatísticos!

A cultura deve ser feita pelos agentes culturais- a Câmara municipal é parceira e promotora mas os agentes e empresários do sector cultural devem ter iniciativas mas em São Domingos falta-lhes iniciativas...
Responder
0 # Um jovem pensador 04-09-2018 12:58
Não sei o porquê do desviar as atenções sobre a escrita do português ou as mal ações do então autor desse texto, pois ele traz uma colocação muito poderosa e abridora dos olhos para nós que somos os jovens filhos de Cabo Verde que estamos presenciando a degradação do nosso país por governantes que só pensam no dito "crescimento" o que não contribui com a questão do desenvolvimento dos residentes das ilhas. O concelho de São Domingos não fica de fora dessa "desgraça" e descaso. Eu peço que os senhores botem a mão na consciência sem levar em conta as questões partidárias e trabalhem para a resolução urgente dos problemas que assolam as mais várias localidades que compõe os municípios cabo-verdianos..precisamos de governos e principalmente de câmaras municipais que abram a mente (porque olhos têm bem abertos para os privilégios que essa classe contempla) e criem estratégias questão de desenvolvimento local pois só assim poderemos mitigar essa questão de desemprego, pobreza e miséria que assolam o povo das ilhas.
OBS: não tenho partido político
Responder
+1 # Euclides Gonçalves 22-07-2018 20:45
Olha Senhor Emanuel Brito, eu não acredito que num concelho como São Domingos, Concelho de Manuel de Candinho , Ano Nobo, Ntoni Denti Doro, Pascual de Nha Bebe, Africano, Quim de Nanda, Fidjus de Nossa Senhora da Luz, Skatolina, Carlinhos Pikena, Nei de Ponxa.... (vou parar por aqui se não vou mencionar todas as pessoas de São Domingos uma vez que em cada 4 casas há um artista.) compareceu somente 2 artistas. Isto é muito grave. Eu acho que a Nossa de[censurado]da Isa Costa já sabe da situason gritande que vivi a nossa câmara e tenho a certeza que relatou aos de[censurado]dos do MPD da situason da nossa câmara . Na comunicação social, e claro ela não pode pintar a nossa câmara de escuro, se não sofreria represálias. Quanto ao de[censurado]do Emanuel Lopes também sabe do problema da nossa câmara , ele sabe que temos um presidente, eu posso , eu quero e eu mando . Um presidente que não diálogo, não aceita opinião contrária. Mas como é amigo do Clemente Garcia, e lógico quem que defendê-lo . São Domingos e um concelho que é muito fácil se desenvolver culturalmente, uma vez que os agentes culturais gostam de fazer, tem boa vontade, estão sempre alerta para servir . O problema está no nosso presidente. Por exemplo esta iniciativa de se reunir com desportistas e agentes culturais poderia partir do presidente Clemente Garcia, assim ele explicaria aos desportistas porque não libera o campo de Nora a mas de 2 anos fechados. Mas e a nossa triste sina .
Responder
+1 # Paulo Jorge 22-07-2018 20:00
Senhor Emanuel Brito, artista ki staba e Américo (Menca Mulongo) e Manuel de Candinho. Ago in ca sabi ses staba la como Artistas ou como Vereadores de Câmara Municipal, tendo em conta que és e Vereador . Podia staba mas de 100 artistas de São Domingos lá . Agora modi kes ta bai ses ca convidados e se presidente de câmara sta em dívida cu artistas . Complexado sima El e . E ca ta consigui mobiliza nem 2 artistas . Pmd humildade e cá tem .
Responder