Pub
Por: José Luís Semedo da Silva

José Semedo

Perante os desafios que estão a surgir na nossa comunidade, a autarquia local terá de trabalhar para responder as exigências que lhes são impostas pela sociedade e, também para cumprir a sua palavra.

Quando começam a falhar teremos de chamar atenção, criticar, dar palmatória para tomarem consciência de que estão errados. Mas às vezes isso os afeta, pena que alguns ignoram e outros apenas prometem melhorar.

Nesta senda nós os jovens que correspondem a mais de metade da população local, temos um forte poder na mudança da nossa sociedade, pelo que se queremos algo, somos nós a realiza-la. Há momentos que temos de criticar quando algo está errado, dar palmatória quando o erro persistir, elogiar quando fizeram algo bom, dar sugestão quando solicitado e aplaudir quando temos o resultado.

O que está a acontecer é que temos (nós jovens) o poder de mudança e não estamos a usá-la. Mas alguns podem afirmar: não temos recursos financeiros, não temos mão de obra, não temos conhecimento suficiente. Ok, concordo em parte. Mas tenho certeza de que se fizermos o que está ao nosso alcance com o que temos hoje, amanhã estaremos a fazer o que era impossível.

Jovens ativos são os que levantam a “bunda” do sofá e fazem as coisas acontecerem seja lá como for, como irão conseguir, importante é ter o resultado final desde que seja feito de uma forma legal aceite na sociedade. Assim estarão a cumprirem os seus papéis de um cidadão.

Jovens passivos são os que cruzam os braços e sentam onde for a espera de um milagre das autoridades ou de outros. Tendo eles (jovens passivos) capacidade de criar algo e de dar o seu contributo para a nossa sociedade, ficam na mesmice de que não têm de fazer porque é da responsabilidade das autoridades.

Reflexões: se eu jovem quero mudança, algo diferente, algo novo, algo melhor, porque não levanto e faço o que está ao meu alcance? Porque não crio as minhas condições e ir a luta? Porque não fazer em vez de apenas criticar sabendo que continuam na mesma? Porque não ser um jovem ativo?



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar