Pub
Por: Valdemar Almeida

valdimar almeida

Prezado colega e membro da Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde, vem aí a próxima Assembleia Geral electiva do nosso sindicato, com duas candidaturas em presença. Tratar-se-á de um momento importante que nos vai permitir escolher entre duas propostas de governo, com base nos projectos que cada equipa tem para apresentar mas levando igualmente em conta os perfis dos candidatos, de todos eles mas, em particular, dos que disputam o cargo de Presidente da Direcção Nacional da AJOC.

Esta minha carta aberta a todos os associados tem como objectivo explicar porque apoio incondicionalmente uma das candidaturas, a liderada pelo colega Orlando Rodrigues, não me interessando minimamente, por irrelevantes, as propostas que a outra possa ter para apresentar, uma vez que nunca estarão em condições de, em nada e em nenhum momento, ombrear com o projecto que escolhi abraçar.

E apoio o Orlando Rodrigues por ser um profissional competente com provas dadas em todas as áreas do jornalismo (Rádio, Televisão, Imprensa Escrita e Multimédia), um colega da melhor cepa, um líder que sabe decidir – fazendo-o sempre em nome do interesse colectivo – um jornalista comprometido com a ética e a deontologia, um cidadão íntegro, um homem culto e, acima de tudo, um amigo incondicional e solidário.

O seu percurso, e sei-o porque estamos a caminhar juntos há cerca de três décadas e meia, tem sido feito com total dedicação à nossa profissão e à classe a que pertencemos, e nunca me foi dado observar, da parte dele, qualquer atitude de elevação de interesses próprios acima de interesses colectivos.

Tendo ocupado cargos directivos ou de responsabilidade editorial nos órgãos onde já trabalhou, pautou sempre a sua acção por uma liderança inclusiva, ponderada, harmoniosa e sem nenhum resquício de arrogância perante os fracos e de subserviência à frente dos fortes.

Apoio o Orlando Rodrigues também porque admiro a sua coragem, a sua irreverência criativa, a sua combatividade e a sua capacidade de luta a favor do jornalismo, da classe, da liberdade de imprensa e da democracia, em momentos e em circunstâncias muitas vezes difíceis.

Foi assim nos anos 80, em pleno período de partido único e em vários momentos em que ele protagonizou e incentivou outros colegas a aderir a iniciativas de defesa dos jornalistas e do jornalismo, através de abaixo-assinados, artigos de imprensa, acções de contestação e outros actos que a maior parte de nós recearia protagonizar.

Também nos anos 90 e noutros momentos posteriores, a sua capacidade de se insurgir contra o injusto e o iníquo foi sempre posta à prova, e penso poder dizer, com toda a justiça, que o colega Orlando Rodrigues tem tido uma contribuição importante para o clima de Liberdade de Imprensa que hoje todos desfrutamos.

Apoio ainda o colega Orlando Rodrigues pela combatividade de que tem dado provas contra todas as tentativas de ataque à dignidade dos jornalistas a que, com frequência, se tem assistido, demonstrando-o pela contundência da sua pena e sua voz.

O meu apoio ao colega Orlando Rodrigues justifica-se igualmente pela sua capacidade de organização e pela boa representatividade que tem evidenciado em órgãos de regulação e auto-regulação da classe, sendo exemplos disso mesmo a sua importante contribuição para a instalação do primeiro Conselho de Redacção da Rádio de Cabo Verde, a sua eleição e desempenho como primeiro jornalista eleito pela classe para a Comissão de Carteira Profissional, a organização e operacionalização do processo de eleição do primeiro Conselho de Redacção da Televisão de Cabo Verde, e, finalmente, o desempenho que teve, nos últimos quatro anos, como vice-presidente da AJOC.

Nessa qualidade, o colega Orlando Rodrigues não apenas ajudou a concretizar como, também, concebeu e montou importantes iniciativas e projectos em prol dos associados da AJOC e dos jornalistas no geral, idealizou diligências, secundou e apoiou a actual presidente em todas as acções empreendidas ao longo do mandato, e verdade seja dita, cabem à sua capacidade de expressão a esmagadora maioria das posições que o sindicato tomou quando foi chamado a salvaguardar a dignidade da classe jornalística, responder sem titubeios a ataques e acusações vindas da classe política, defender a Liberdade de Imprensa e assumir causas de interesse público.

Apoio o Orlando Rodrigues por saber que ele irá colocar ao serviço da AJOC tudo o que de melhor pode oferecer, e que não irá abandonar o barco devido a interesses pessoais, nomeadamente para ocupar cargos oficiais, sejam eles quais forem, se para tal vier a ser convidado.

Apoio o Orlando Rodrigues porque sei que não cultiva nem nunca cultivou qualquer relação suspeita com a política partidária, nem tem aspirações políticas que o façam secundarizar ou abandonar os compromissos que pretende assumir com a classe a que pertence.

Apoio o Orlando Rodrigues porque tenho conhecimento e aprovo, por boas e de qualidade, as ideias, os projectos e as propostas que ele tem para a governação da AJOC, e que não são uma simples lista de tarefas. E sei igualmente que, assim que o entender oportuno e sem pressões de qualquer espécie, o candidato que apoio irá apresentar a sua plataforma eleitoral, que se baseará em políticas, incidirá sobre acções e projectos e proporá, de forma concreta, mecanismos, timings e opções de operacionalização.

Apoio o Orlando Rodrigues porque sei que, com a sua equipa, irá trabalhar de maneira efectiva pela “Permanente Qualificação do Jornalismo Cabo-verdiano”.

Por isso, caro colega, convido-o a juntar-se a mim nesse apoio.

Espargos, Sal, 27 de Junho de 2018

 

Valdemar Almeida

Jornalista



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Tadeu Sanches 02-07-2018 07:31
Isto daqui, parece, a reedição de uma palhaçada inventada pelo Paicv aquando das primeiras eleições multipartidárias de 1990. Dia sim, dia não a rádio nacional era enchida com cumicados de militantes que se diziam apoiar Pedro Pires. Depois da abertura das urnas, verificou-se por exemplo que, em Santa Catarina,nem José Maria, nem o David Almada haviam votados no próprio partido.
Responder
-2 # Orlando vaz 01-07-2018 11:31
Meu caro Valdemar
Acho bem que apoias o colega Orlando, mas peço te uma coisa VAIS PARA CASA, REFORMA-TE
A TUA VOZ JA ESTA IRRITANTE NOS MEUS OUVIDOS
ESTAS COM UMA DICCAO HORRIVEL MEU CARO.
AMIGO E COLEGA
Responder
0 # Valdemar Almeida 05-07-2018 11:08
Caro Orlando Vaz. Compreendo que não gostes da minha "voz". É natural que uns, não gostem e outros sim. Mas, confundir boa voz ou má voz com dicção é algo no mínimo estranho. Sei que não é por maldade. Por mim, acredita, já tinha reformado. Não por causa da minha voz mas, sim porque já é tempo de dar vez à "nova guarda". Um abraço.
Responder