Pub

 lino magno

Um figurino que representa uma antítese, vilipendiado por um ser distinto, que na verdade não passa de uma sombra sem substrato nenhum. Apenas um aio do real, com sua falsa sofisticação, numa óptica convincente, com sua ostentação radical. Uma construção com um invólucro que não se subscreve quase ou nada do que realmente se diz ser. Uma tênue aparência da vaidade explicita, encarnada de símbolos sinônimos, sem qualquer peso de resposta positiva.

Nesse substrato incontornável da laicidade simples, se confunde com a verdade, mas concretamente não passa de uma superficialidade com isenção do ser que ainda precisa ser. Sem essa normativa explícita, a expressão será sempre um símbolo do real, uma imagem tipológica, com dimensões aleatórias, sem qualquer essencialidade lógica.

Nesses símbolos genéricos, se exemplifica imagens quase sempre de neutralidade efêmera, do cúmulo sem pejo e da linguagem aparente. Uma realidade que não passa de uma ilusão negativa, que não se vislumbra qualquer predicado altruísta.

Sendo assim, o caminho se torna confuso e nada se constrói, isto porque, a sociologia pessoal se limitou ao vazio inerente, sem que se percebeu um atraso real em todas as dimensões. A inversão não seria uma atitude a dispensar, quanto mais urgente devia se recompor numa lógica inteligente, antes que seja tarde demais.

Uma antropologia puramente amorfa, sem método epistemológico, ciência empírica, fundamentada numa lógica simplista.

Nada se alcança desta forma, uma resposta superficial. Quando se esperava tudo se desmoronou, o espanto não era uma surpresa, não se alcançou o mistério que nada era, simplesmente o preconceito que assumira a linguagem caricata e nociva.

Nada que fosse produto final, exemplos indefinidos que nem sempre se alcançam o limite desejado. Um modelo em função simbólica, quanto menos significativo e com razões transitórias. Uma visão abstrata de uma causa imaterial, que se limitou ao amparo precoce.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Rolando Fernandes 15-06-2019 13:54
Excelente articulo Pastor Lino Deus continue te dando sabedoria e inteligência do alto
Responder