Pub

lino magno

Nunca se falou tanto sobre saúde emocional, inteligência emocional ou educação emocional como hoje. As produções literárias aumentam cada dia mais e a procura nessa área vem ganhando expressão. As evidências indicam que o mundo se despertou em relação a necessidade de uma vida emocional saudável.

As evidências da ausência de uma construção emocional na fase inicial da vida vêm assinalando um novo ciclo, um novo paradigma para o setor da saúde com contornos significativos. A sociedade mundial vive a crise no âmbito da existencialidade individual e coletiva, um reflexo diametral de baixo substancial na personalidade emocional.

A sociedade mudou e toda a sua estrutura tecnológica e científica. A era das certezas, paradoxalmente, a mais sombria de todas. Suicídios, homicídios, patologias de várias ordens, criminalidades, dependência química, e a depressão como "carro chefe". Um somatório de aspetos que merecem uma atenção especial. Sinais de lacunas no âmago da esfera emocional.

Como atingir uma educação emocional eficiente? Primeiro, é preciso uma relação de proximidade, uma relação entre pais e filhos que fortaleça as bases e que sirva de fator construtivo. Nessa relação, a sinceridade, a transparência, a comunicação baseada em empatia, são alicerces indispensáveis na moldagem e construção de uma boa autoestima, formando assim, uma boa personalidade. A sociedade que temos hoje é o reflexo de uma educação emocional ineficiente.

Uma segunda base para uma educação emocional de qualidade, é a construção da afetividade. O carinho, o amor inteligente e racional, a socialização qualitativa, formam o alicerce emocional.

Uma terceira base na construção emocional. A disciplina eficiente que incentiva a reflexão. Comunicação, afetividade e disciplina eficiente, formam a trilogia filosófica e pedagógica na formatação de uma personalidade saudável com reflexo na esfera transformacional e transversal.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar