Pub
Por: José Jorge Costa Pina

"O estado de Santiago não pode, portanto, ser classificado de bom"

 JJCPIna

Há similitude de realidades em quase todas as ilhas mas este artigo discorre essencialmente sobre o estado dessa minha ilha de Santiago porque é a realidade que mais conheço, sou membro de associações com responsabilidades em relação ao combate por seu desenvolvimento e porque é uma das ilhas em relação ao qual não existe uma visão e uma plataforma de projeção de desenvolvimento global nem um exercício de «plaidoyer» á altura para tal.

Por conseguinte, o diagnóstico atual da ilha integra necessariamente essa falta de visão mas também todo o resto em termos de planos e aspetos operacionais para serem interiorizados pelos seguintes agentes ativos do seu desenvolvimento que, nalgumas ilhas, defendem em todas as circunstâncias, esses instrumentos e combatem pela sua implementação nos seus cutelos: deputados, governo local e central, organizações não governamentais, setor privado, comunicação social etc.

Esta situação de falhas tem penalizado sobre maneira a ilha que tarda em ver uma plataforma/ agenda de desenvolvimento e sua defesa para implementação. Isso a par de uma ativa ação anti-Santiago (entenda-se ações de há um tempo para cá contra qualquer projeto de valia proposta para ilha) que tem sido desenvolvido nos últimos tempos, por um grupo identificado de classes políticas ligadas a uma das ilhas denominada adversária e de elementos de uma certa diáspora quando, na realidade, se sabe que Santiago, desde há muto, esteve sempre na cauda do país em termos do indicadores/ índices de desenvolvimento humano e ausência de estruturas de desenvolvimento de que necessita para acompanhar as outras duas ilhas aonde tudo foi encaminhado durante século!

É assim que a ilha desconhece uma estratégia de desenvolvimento agrícola /agronegócio (exceto no que tange a um certo esforço de mobilização de água) não obstante Santiago ter sido indicado como o epicentro dessa plataforma. Da mesma forma não se vislumbra qualquer medida/estratégia que equipa Santiago para o desenvolvimento das áreas do mar, da indústria, do turismo e do comércio (negócio caraterístico de Santiago hoje nas mãos de estrangeiros que, ao contrario dos nacionais, são incentivados pelos respetivos governos para dominar esse setor em Cabo Verde) onde a ilha tem claramente vantagens competitivas e comparativas em termos de mercado e recursos.

No domínio de ordenamento de território, urbanismo e habitação o desafio é enorme, tendo em conta que a ilha não foi contemplado no grupo restrito das que beneficiaram do projeto do MCA de cadastro ( os santiaguense não imaginam o prejuízo e atraso que a ausência desse instrumento causa á ilha na atração de investimentos), as cidades demoram a ser reabilitadas (há algum sinal positivo nalgumas, ultimamente) e raras são as autoridades dos municípios da ilha que ofertam lotes e assistem na construção de habitação para os mais pobres como se faz no Maio, por exemplo. Na Praia, o anuncio de 4 bairros a serem financiados pela China, permanece fora das prioridades enquanto que os projetos dos outros avançam mesmo considerando que a afronta desta cidade em termos de falta de habitações seguras, condignas e esteticamente enquadráveis desta cidade não tem paralelo nas ilhas (ver, Jamaica, a encosta do velho aeroporto, por exemplo)!

No mar, onde grande é a aposta do governo e a expetativa de desenvolvimento das ilhas, só se ouve falar de projetos para uma ilha só! Julgo ter Santiago votado para beneficiar também do então cluster do mar, hoje plataforma do mar (?), e assim ter estruturas de desenvolvimento da economia marítima, como complexos de pesca (o do São Martinho, por exemplo, com o novo cais, estaleiro, plataforma de frio e mercados de peixe para servir boa parte de sotavento), unidades orgânicas de administração regional marítima, pescas e portuária (esta autónoma e com operações privatizadas), terminal de cabotagem (com centro logístico de cargas, gare de passageiros mais dimensionado e sofisticado e mais rampas róró), novo rebocador para o Porto da Praia ( original e parcialmente financiado pelo fundo holandês orion), frota de pesca reestruturada, constituição de cooperativas de exploração das pescas e esquema prático de financiamento, um polo de formação para o mar, subcentro para SAR (busca e salvamento) e para prevenção e combate á poluição marinha.

Neste momento, Santiago continua a perder algumas insignificantes instituições da marinha e pescas e não tem estruturas e infraestruturas para suportar o maior porto do país (com os melhores resultados financeiros, sendo o maior centro recetor e distribuidor de cargas e um dos maiores para o de passageiros), a orla marítima mais procurada de Cabo Verde e as pescas com a maior costa e mercado, mais pessoas e embarcações envolvidas e mais empresários com projetos em calha.

Mas o que está enfurecendo Santiago é a vitória dos ruidosos dos maus da regionalização (o tal grupo, não todos), cujo objetivo foi sempre a desconstrução daquilo que propositadamente denominaram de república de Santiago: não há mais projetos merecidos para Santiago como o centro de convenções (não as pequena salas de reuniões que proliferam ali e acolá pela cidade da Praia, mas sim espaços de adequados para eventos de negócios, conferências e exposições de grandes dimensões regionais e internacionais), parque industrial e centro de formação do mar para combater o desemprego e transpõem-se para outras ilhas os grandes eventos (uma das poucas vocações e domínio de sobrevivência da cidade da Praia por exemplo), instituições e determinadas indústrias como as do setor aéreo (transporte e manutenção aéreas de grande tradição e orgulho da ilha) destruindo atividades industrias da ilha como se fez num passado recente). Não se fala da pista do aeroporto da Praia (há uma menção para construção de um novo aeroporto o que atormenta o timing para satisfação da dinâmica atual e futuro imediata da ilha em relação a uma pista que já devia ser de 2500-3000 metros em vez dos atuais 2100 metros!) nem do hospital de raiz que a ilha tanto reclama e merece! Assim consuma-se o esvaziamento da ilha e a vitória de um modelo jamais visto e praticado em parte nenhuma em que o desenvolvimento integral das ilhas se assenta na destruição daquela (I. Santiago) que já está com maior dinâmica (fruto do trabalho de sol a sol dos que chamam de badios) para transpor para outras como está acontecendo nas áreas acima indicadas incluindo o estabelecimento de condições exclusivas para uma só ilha da economia marítima, setor que se diz consubstancia o desígnio principal do desenvolvimento do país (não seria de o ser para toda as ilhas???!!!). O sensato seria apoiar em tudo o que as ilhas trabalharem para avançar e não tirar /destruir os avanços de uma para transpor para outras, ou apoiar determinados setores numa só ilha quando as outras têm também potencialidades para os desenvolver (refira-se em Santiago os setores do mar, indústria, turismo, parque habitacional social etc)!

Nos domínios do desporto, cultura, ambiente e cidadania, a queixa tem referenciado a falta de:

  • Empresarialização e profissionalismo nos segmentos onde tal é necessário, disponibilização de quadros com qualificação técnica relevante para dirigir o setor e as modalidades e infrastruturas para ténis, golf, natação, atletismo e melhorias de algumas na cintura da Praia, e infraestruturação de um complexo desportivo (incluindo um estádio de futebol referencial) em Santiago Norte, uma das principais regiões desportivas do país! É justo requerer intervenção da FIFA para ajudar Santiago Norte neste sentido!
  • Feiras do livro e centro de artesanato, formação e subsidiação para produção do teatro e cinema e condições adequadas para carnaval e museus e musica orquestral (sendo esta e o museu de arte contemporânea sempre patentes em qualquer capital do mundo);
  • Um centro de acolhimento, processamento e aproveitamento do lixo sólido para produção de energia, financiado pela União Europeia e um programa de reabilitação urbana para cidades com a de Praia incluindo eliminação de habitações inseguras e desenquadradas do panorama estético próprio de cidades de um Santiago atlântico desenvolvido e moderno que sempre serviu de referência para amparo e apoio á circulação atlântica e mundial;
  • Do sentido de dedicação por parte de políticos, de jornalistas e da sociedade civil locais em geral para combater e manter em agenda as suas teses de desenvolvimento integral de Santiago (como vemos acontecer de forma intensa, noutras paragens do país!).

De uma forma geral e quase concluindo este informe, julgo que o estado de Santiago pode também ser avaliado, formulando e procurando respostas às questões seguintes:

  1. Por onde pára o magnífico teatro do Dr Fragoso e Magui? A sua preservação, continuidade e devido desenvolvimento, não permitiria ter hoje em Santiago e na Praia uma magnífica corporação de grupos teatrais com sessões de qualidade que qualquer capital patenteia? Será tarefa impossível de realizar pelos governantes do setor e vereadores da ilha/cidades no sentido de formarem um corpo de profissionais do teatro e estabelecerem subsídios para trabalhos de qualidade apresentados?
  1. Para onde foi parar o centro de artesanato daqui da Praia? Não merece a capital do país turístico e a ilha de enorme potencial nesse domínio como é Santiago, manter ou criar uma rede de centros de produção e comercialização de artesanato de qualidade nalguns centros da ilha, ou pelo menos manter e desenvolver aquilo que havia, contra apoiar uma ilha só, nesse respeito? O Centro audiovisual previsto para a ilha juntamente com o edifício da RTC que mereceu 1ª pedra na ASA nos anos 90? Com ações idênticas ás indicadas para o teatro não teríamos cinema e programas televisivos que o santiaguense e qualquer cabo-verdiano tem reconhecidas potencialidades para criar?
  • Onde param as magnificas produções domésticas e industriais de produtos alimentares tipo iogurtes, torresmos, manteiga, queijo, de charcutaria, conservas de pescado, e de atividades de manutenção e reparação de navios de pescas, automóveis etc que devidamente certificadas driblariam a excessiva importação/saída de divisas e desenvolveria a capacidade da ilha em criar e prover rendimentos e riquezas internas?
  1. Não seria já tempo do estabelecimento do roteiro turístico de Santiago incluindo a qualificação dos destinos e produtos, como a recuperação das fruteiras (salve o magnifico trabalho de coordenação da Associação de Turismo de Santiago em relação á feira internacional da banana em Santa Cruz, para breve, e de outros aspetos para a qualificação de destinos e produtos turísticos santiaguenses), de coqueiros/água de côco (na cidade velha, Santa Cruz, por exemplo), a sinalização global da ilha (incluindo a que serve bem aos que não conhecem a ilha), e estabelecimentos de vias de penetração aos vales da Cidade Velha (exigimos aí vias superficiais e teleféricas panorâmicas e os «stakeholders» parabenizaram a proposta) e às ribeiras no Santiago Norte, casas de musica e culinária de qualidade de Santiago/Cabo Verde, etc?
  1. Que foi feito da pujante festival de Gamboa, de todo o mundo canta (aqui o tal Lopes não dirá que é fotocópia, porque, apesar de já não existir na capital, o evento foi invenção da Praia que forjou/lançou artistas de todo Cabo Verde!), das feiras anuais do livro tão concorridas e indispensáveis a todos? E o magnífico carnaval da Praia dos anos 80 que, evoluindo sem indiferenças e percalços havidos estaria hoje a brilhar, com caraterísticas próprias, sem copiar o do Brasil (missão impossível, mas o carnaval seguiu daqui para alí!)!
  1. Definitivamente o manancial potencial no domínio de cultura é enorme em Santiago o que implica não só a manutenção das atuais sofisticadas atividades da Atlantic Expo, Rock e Music Awards, mas a criação das condições de base para estabelecimento de uma rede de bibliotecas das cidades com incentivos de leitura, museus a funcionar, teatro regular de qualidade, qualidade dos patrimónios, academias de musica (o funaná por exemplo merece, neste momento de intensa criação e transformação, uma reflexão para avaliação e redefinição evolutiva da sua qualidade para o futuro), teatro e dança e um programa de melhoria das festas/romarias inserido numa programação de Maio a Agosto de atividades em todo o Santiago e que integre ações para contemplar turistas/gente da diáspora que visitam anualmente a ilha;
  • Santiago merece ou não, um programa de apoio logístico e financeiro de forma capacitar os seus operadores, no domínio do comércio, a concorrerem com sucesso com os congéneres estrangeiros que recebem tais apoios dos respetivos governos e assim impactam negativamente a criação endógena de emprego e aumento de rendimentos ao mesmo tempo que reduz a saída de avultados montantes de divisas!
  • A Praia não merece políticas mais adequadas de modo a preservar a sua frente marítima com se faz em todo o mundo? Nessa frente - Gamboa - exceptuaríamos o estabelecimento, á frente da Electra, de um espaço desportivo de praia de nível internacional á semelhança do existente em todo o mundo (principalmente o mundo ilhéu); O festival de Gamboa é para manter reservando-se para o efeito, o espaço ocupado pelas duas estruturas de cais hoje desnecessárias. Mais nada deve ser licenciado para tapar a nossa belíssima baía de Santa Maria da Vitória! O mesmo princípio deve ser aplicado a Quebra Canela e ás poucas frentes marítimas que restam na capital a nas outras cidades de Santiago e de Cabo Verde;
  1. Não é possível garantir o festival do milho incluindo o imaginário que temos desse cereal e seu uso em geral mesmo que o ano não seja chuvoso?

A criação desse festival foi tão meritória e há tanta coisa boa que se pode fazer com todo o tipo de milho (verde e seco), que, adicionando a demonstração das varias aplicações tradicionais riquíssimas do milho no quadro alimentar santiaguense, o festival tem que ser realizado ultrapassando a condicionante falta de chuva, acionando parcerias com os comerciantes e agricultores de regadio da região que assegurarão a matéria prima necessária e assim retomaremos o festival para sempre!

Por conseguinte, perante o quadro atrás indicado, não há margens para ignorar as consequências da ausência de uma visão e de um plano desenvolvimento regional integral de Santiago (a cooperação Austríaca apoiou e irá apoiar a sua conclusão e implementação) e, sobretudo, de uma militância e exercício de cidadania razoavelmente robustos por parte de todas as suas forças (políticos, jornalistas, organizações sociais e empresariais privadas) da ilha para influenciar e participar positivamente na sua implementação, particularmente nos setores do mar, infraestruturação, urbanismo e ordenamento do território, turismo, negócios, comércio e dos epicentros das plataformas previstas para Santiago como a praça financeira, agronegócios e tics.

 

O estado de Santiago não pode, portanto, ser classificado de bom.

Força pois santiaguenses, estejamos um pouco mais atentos e sejamos mais militantes em relação ás causas de Santiago! A ilha pode estar a caminhar-se para o colapso, para a pobreza, para mais desemprego e … insegurança!

Praia, aos dez dias de Agosto de 2018.

José Jorge Costa Pina



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Sergio dantas 14-08-2018 10:44
Excelente artigo. Aborda com acuidade um conjunto de temas que tem perpetuado a falta de desenvolvimento da ilha de Santiago.
è verdade que existem e sem existiram em cabo verde pessoas declaradas anti -santiago e que tudo fazem e fizeram para impedir o seu desenvolvimento e, lamento dizê-lo conseguiram. Ps filhos, habitantes e amantes de Santiago tem que se consciencializar que devem reivindicar o seu desenvolvimento. Todos os concelhos da Ilha de Santiago devem exigir o que lhe é merecido. A Cidade de Assomada com os seus 50 mil habitantes deve exigir e trabalhar para ter politicas públicas adequadas que refletem o dinamismo da população, a linda cidade do tarrafal com seus 40 e tal mil habitantes merece ser tratada de outra maneira, a Cidade de Santa Cruz /Santiago com os seus quase 40 mil habitantes merece outro tratamento. Concelho com potencialidades agricolas e maritimas , entretanto está abandonado ás moscas, calheta de S. Miguel, Orgãos, todos tem potencialidades. Entretanto, é esta parte da região norte de Santiago, que comporta cerca de 100 e tal mil habitantes, que é o território mais pobre do nosso querido cabo verde. Ou seja, a região com maiores potencialidades é a mais pobre do país. Um grande contrasenso.
Responder
-1 # apartidário 13-08-2018 14:34
Só uma pequena correção:

"... muito assertivo e..."
Responder
+1 # apartidário 13-08-2018 09:13
Sempre muito acertivo e agudo o "hermano" Costa Pina.
Creio e sempre acreditei e acredito que o futuro de Santiago reside na atitude, pensamento e posição firme e reivindicativa de seus filhos, independentemente do partido que estiver à frente do governo.

Penso que já é hora de fazermos valer nosso poder reivindicativo e mostrar aqueles que nos governam que estamos aqui e não pararemos de lutar por Santiago
até as últimas consequências, idem para os que constantemente buscam relegar esta ilha ao atraso (anti-badios).

Tenho dito.
Responder
+2 # Aruda Costa 12-08-2018 23:54
Parabéns! Excelente! Está tudo dito. Boa reflexão, Dr. José Jorge Costa Pina!
Responder
+2 # Maria 12-08-2018 17:50
Meus parabéns Costa Pina. Grande artigo, o nosso Santiago precisa das pessoas como você, relata sempre essas verdades. ABRAÇOS
Responder
+2 # Sócrates de Santiago 12-08-2018 16:25
Como sempre, um óptimo artigo, um verdadeiro manifesto em prol do desenvolvimento de Santiago. Caro José Jorge, com a sua permissão, tenho o prazer de fazer meu o conteúdo deste seu interessante texto. Só lamentamos o facto de este governo, formado, na sua maioria, por BADIOS, ser, estranhamente, tão anti-Santiago, anti-santiaguenses, anti-badios. Gostaria que o Senhor Ulisses Correia e Silva, Primeiro Ministro de Cabo Verde e antigo Presidente da Câmara da Praia, lesse com a muita atenção este texto, tomasse a devida nota e agisse em consequência. O Homem que prometeu transformar Cabo Verde, porque transformou a Praia, agora está a dar cabo da Praia e de Santiago. Pois, ao centrar o desenvolvimento económico de Cabo Verde em apenas dois pilares-AR e MAR, com foco em duas ilhas-SAL e S.VICENTE, o Governo de Cabo Verde está a retirar à ILHA DE SANTIAGO os elementos mais competitivos do seu desenvolvimento económico, como sendo os investimentos nas infraestruturas aeroportuárias e portuária. Este modelo de desenvolvimento económico, colonial e fascista, já está ultrapassado, pois o mesmo não deu resultados nos anos 90 e contribui grandemente para o atraso social e económico da GRANDE ILHA. É tempo de arredar caminho e eleger a ilha de SANTIAGO como uma grande plataforma do desenvolvimento do País, em todos os sectores económicos. DESENVOVER SANTIAGO É DESENVOLVER CABO VERDE.
Responder
+2 # #Arena Crítica 12-08-2018 02:03
De facto, a Ilha de Santiago tem sido prejudicado em algumas coisas. A situação da Ilha de Santiago é um pouco do que se passa com as restantes ilhas de cabo verde. O fraco desenvolvimento das nossas Ilhas deve-ve, sobretudo, a uma má visão política dos nossos governantes, desde a independência a esta parte.
Responder