Pub
Por: DRC

Esta pergunta pode parecer insensata, mas não é. É que ela ganhou legitimidade face às afirmações que o primeiro-ministro fez hoje em Mindelo, segundo as quais se fosse pela sua vontade a regionalização já era uma realidade em Cabo Verde.

Ulisses Correia e Silva reagia assim às palavras do movimento Sokols 2017, onde esta organização da sociedade civil afirma que ele terá enganado o povo de São Vicente, quando prometeu avançar imediatamente com o processo de regionalização do país, caso saísse vencedor das eleições de Março de 2016.

E ganhou as eleições! Está na liderança do país há 18 meses e não conseguiu ainda mostrar o seu programa político sobre este dossier. Que, diga-se, foi o ponto forte da sua proposta de campanha eleitoral! E reina um silêncio incómodo lá pelas bandas do palácio da Várzea, quando mais de um terço do mandado já está percorrido.  

Daí a legitimidade e a oportunidade destas questões. Quem deve avançar com o processo de regionalização em Cabo Verde? De quem é esta responsabilidade? Se a responsabilidade deste processo não for da entidade que o prometeu – e que hoje dirige o país – então de quem é? Do parlamento? Do Presidente da República? Da oposição? De quem?

Porque o primeiro-ministro – o homem que manda nos recursos públicos, gere o Estado e decide sobre as suas diferentes funções executivas – já disse que se fosse da sua vontade este assunto estaria há muito encerrado.

Tratando-se, como efectivamente se trata, de um dos processos mais importantes no quadro das propostas de reforma do Estado que tem sido falado entre nós, Santiago Magazine lança o presente repto a quem direito, no sentido de responder às questões acima levantadas, para informar a nação e repor a verdade dos factos.

E o país agradece. Porque, por entrelinhas, reina o sentimento de que, ou alguém quer brincar com a boa-fé da nação, ou os discursos políticos em presença andam na contramão dos programas e projectos sufragados nas urnas, em Março de 2016. E esclarecer esta confusão é o mínimo que se pode esperar de quem se afirma promotor de um Estado parceiro, dialogante e focado no cidadão. 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # Jose 06-09-2017 04:09
A resposta de UCS é a forma mais deselegante de fugir à responsabilidade. É um grande contributo para a discredibilizacao da política e da classe política. É a mesma coisa que financiar o Mac114 para mobilizar à rua contra o ETCP. É o princípio do fim da estabilidade social e política! Registem ...
Responder
-2 # Denilsonfortes 05-09-2017 23:42
A respsta esta na constituicao e no parlamento.
Responder
0 # Manuel 06-09-2017 10:58
Altere-se: 1) Constituição; 2)A organização do sistema parlamentar; 3) Sistema Eleitoral.

Caso contrário, poderemos ter sérios problemas no futuro.
Responder
+2 # Jovem 05-09-2017 22:24
http://www.rtc.cv/legislativas2016/index.php?paginas=47&id_cod=47409
Responder