Pub
Por: Miranda Nazes

menezes

Existem verdades que nunca me couberam, vulnerável, submissa atrás de um grande homem existe uma grande mulher.

Sou cabo-verdiana, fruto de uma sociedade muito patriarcal, e onde o machismo é visível.

Sempre fui muito curiosa e atenta, e desde muito cedo me apercebi que tanto a natureza como as mulheres estão sendo exploradas e submetidas a diferentes tipos de dominação. Essa realidade é perturbadora, e fez nascer em mim uma vontade enorme de mudar esse paradigma que faz com que nós mulheres sejamos estrupadas, vítimas de feminicídio que faz com que as matas e as florestas sejam destruídas.

Foi então que adotei essa filosofia, que diz que existe uma ligação sui generis entre o feminismo e a ecologia. Hoje faço parte do movimento eco feminismo de Cabo Verde e somos um grupo que tem atuado com foco no desenvolvimento sustentável, na inclusão social, justiça social e climática.

Houve uma separação entre nós mulheres e a natureza, e essa separação teve grave consequências, fez com que milhares de mulheres fossem parar na fogueira, só pelo facto de terem uma relação de muita proximidade com a natureza, essa separação fez com que nós mulheres não aceitássemos a “existência” de uma linearidade padronizada em nós, porque somos cíclicas.

Há uma necessidade de quebrarmos os tabus que existem sobre nós, no que toca os nossos ciclos menstruais, o nosso prazer, e sobre a nossa sexualidade.

É altura de não aceitarmos os padrões que nos são impostos, é altura de tomarmos uma decisão para combater as alterações climáticas. A nossa geração tem uma grande missão, que é a de salvar o nosso planeta.

A natureza é a nossa mãe!

É altura de fazermos as pazes com ela, temos de voltar as nossas origens, e só assim podemos ser mulheres bem resolvidas e empoderadas.

Acredito que se nós mulheres, unirmos, garanto que podermos mudar o nosso paradigma.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Joana Mendes 10-06-2019 13:27
Érica Miranda, a exposição pública, por exemplo através da publicação de um artigo num jornal, tem riscos. Dificilmente, todas as pessoas irão concordar com o conteúdo da publicação. Há sempre o risco de alguém que por alguma razão esteja de mal com a vida e resolva desancar no artigo por um motivo o mais patético possível, como esse (a) #slava que deixou esse comentário infeliz aqui em baixo.
Go ahead!
Siga os seus sonhos!
Responder
0 # sergio Dantas 06-06-2019 16:44
Continua a tua caminhada.
existe espaço para todos nesta sociedade. A pluralidade de ideias e a diversidade de acções é que leva ao desenvolvimento
Responder
0 # slava 06-06-2019 08:54
Com tantos problemas "candentes" nesta sociedade, o único que vos importa (certas mulheres), é ficar eternamente nestes devaneios místicos femininoides.

Que tal contribuires com algo mais sustancioso para a resolução de problemas como a desigualdade, combate á corrupção, etc.
Responder