Pub

REMO.CV

Acaba de ser criada, na cidade de Roterdão, Holanda, Rede das Comunidades Cabo-verdianas no Mundo. O sociólogo Francisco Carvalho foi eleito Secretário Executivo, num formato de um secretariado dividido por diversos pelouros ou secretarias que serão assumidas por cada uma das organizações que compõem o secretariado.

As secretarias serão coordenadas pelo Centro de Atendimento & Orientação em Roterdão (Holanda); Cabo-verdianos em UK (Reino Unido); CESMi, Centro de Estudos das Migrações (Cabo Verde); Cooperativa MovingDiaspora (Amadora, Portugal); Kaza Emigranti (Cabo Verde); Santiago Lux (Luxemburgo) e Associação Morabeza (Bélgica).

Uma vez que um dos grandes objetivos da REMO CV é trabalhar para que haja uma uniformização de serviços prestados pelas associações em cada um dos seus países, então, uma das primeiras ações será o arranque do levantamento das boas práticas que já vem sendo implementadas por estas organizações da diáspora e, de seguida, a sua ampla partilha em vista a fazer com que as organizações possam adotar para os seus contextos, as iniciativas e respostas aos problemas das comunidades que já foram implementados com sucesso em outras paragens.

A REMO CV espera, com este formato, multiplicar os ganhos dos emigrantes, dos seus países de acolhimento e de Cabo Verde, contribuindo assim para enaltecer a importância que a emigração tem para Cabo Verde.

Francisco Carvalho, o secretário executivo da Rede, ora eleito, é atualmente o Coordenador do CESMi, Centro de Estudos das Migrações.

É licenciado em Sociologia com especialização na área das migrações e pós-graduado em migrações, minorias étnicas e transnacionalismo pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Foi diretor geral das comunidades de 2012 a 2016. Consultor da Organização Internacional para as Migrações no quadro da elaboração do "Perfil Migratório de Cabo Verde 2009". Autor de artigos científicos na área de migrações e com diversas participações em conferências, projetos de investigação e análises de temáticas migratórias.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!