Pub

Capital Airlines

A companhia chinesa Capital Airlines está interessada em voar para Cabo Verde, trazendo turistas para o arquipélago e já está a ser negociado um acordo aéreo entre Cabo Verde e China para a concretização dessas ligações.

A informação é vanaçada pela Inforpress, citando o ministro dos Negócios Estrangeiros e ministro da Defesa, Luís Filipe Tavares, que esta quinta-feira 9, terminou uma visita de cinco dias à República Popular da China.

O assunto foi tema de conversa num encontro que manteve com o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, e que serviu para os dois governantes passarem em revista a cooperação bilateral entre China e Cabo Verde nos diversos domínios.

“Sobre os transportes aéreos há possibilidade de fazermos um acordo aéreo com a China para permitir que uma companhia chinesa «Capital Airlines» possa voar para levar turistas para Cabo Verde, assim como a TACV internacional voaria para a China para vir buscar turistas chineses”, informou o governante cabo-verdiano a partir de Pequim.

As negociações já arrancaram e a previsão é de concluí-las em meados de 2018, dando também à companhia cabo-verdiana TACV internacional a possibilidade de voar para a China.

Ainda durante o encontro de quarta-feira, 08, Luís Filipe Tavares e Wang Yi traçaram novas perspectivas de cooperação na área da defesa, ordenamento do território, segurança portuária e economia marítima.

“A China é parceira estratégica de Cabo Verde na implementação do projecto da Zona Económica Especial de Economia Marítima de São Vicente que deverá ter início em 2018/2019”, recordou o governante cabo-verdiano.

Quinta-feira à noite (horas locais), o ministro Luís Filipe Tavares foi recebido pelo ministro da Defesa da China, Chang Wanquan, num jantar no Ministério da Defesa, onde a cooperação técnico-militar entre os dois países e a renovação do Acordo de Defesa existente entre os dois governos desde 2012 foram temas abordados.

A visita de Luís Filipe Tavares à China foi iniciada no dia 04 de Novembro com o objectivo de avaliar o estado da cooperação no domínio da Defesa e Militar entre os dois países e perspectivar o seu incremento e diversificação, através da planificação de actividades a serem desenvolvidas nos próximos anos.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Gastao 10-11-2017 08:16
O Acordo está a ser negociado desde 2024, em finais de 2015 estava praticamente pronto para ser assinado. Com a mudança do Governo ficou em Standby. Mas o trabalho está todo feito. Quem quiser saber é só perguntar ao embaixador Julio Morais que juntamente com a Agência da Aviação Civil trabalharam sobre este dossier. Que avance já. Mas essa de a TACV ir buscar turistas na China é mais uma deriva. O melhor mesmo é, a companhia chinesa vem, ela pode operar em Code Share com a TACV. Trazer até aqui e a TACV coloca noutros destinos. É o mais racional!
Responder