Pub

boeing 400 300

Este segundo aparelho chega com o nome de Cabo Verde (Cabo Verde Airlines) e vai ficar no país, enquanto o Eyjafjallajokull deverá regressar à Islândia daqui a 3/4 meses.

O segundo avião Boeing 757 da TACV já está na Praia desde as 6h00 desta terça-feira, 7. Minutos depois o Eyjafjallajökull (nome do Boeing que chegou domingo, dedicado ao mais famosos dos mais de 100 vulcões da Islândia) partiu para Lisboa, reabrindo a linha internacional da TACV com avião próprio. Este segundo aparelho chega com o nome de Cabo Verde (Cabo Verde Airlines) e vai ficar no país, enquanto o Eyjafjallajokull deverá regressar à Islândia daqui a 3/4 meses.

Os dois aviões vêm em regime de wet lease, que é um contrato em que uma companhia aérea disponibiliza o avião, a tripulação completa (pilotos, comissários de bordo e hospedeiras. Além disso, garante ainda a manutenção e suporta o seguro do avião, recebendo em contrapartida o pagamento pelas horas operadas por parte da operadora.

No caso em apreço, a tripulação técnica será da Icelandair, enquanto a da cabine é constituída pelo pessoal da TACV que está a receber formação para efeito de “alguns reajustes”.

Segundo Mário Chaves, português e Executivo da Icelandair na TACV, os dois aviões vão permitir à compaheira de bandeira nacional “aumentar algumas frequências”, no caso de Lisboa, e “transição para um futuro horário que será o hub que se tem vindo a desenhar”.

Instado se com os dois boeings a TACV vai abrir novas linhas, Chaves disse que, de momento, a estratégia é a “consolidação e estabilização da rede até à abertura do hub”.

Adiantou ainda à Inforpress que estão a ser alinhados novos horários numa perspectiva do hub, em que todas as partidas para o exterior será efectuadas a partir do Sal. Sobre a aquisição de mais aviões, Mário Chaves escusou-se a fazer qualquer comentário a respeito, alegando que não pode antecipar o plano de negócios que “será aprovado esta semana”.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Calu di Praia 10-11-2017 10:03
No site da Icelandair encontramos a informação que o tempo médio de vida na companhia de um Boeing 757-200 é de 22,4 anos ..... mas em Cabo Verde a Icelandair colocou um aparelho de nome Eyjafjallajokull que tem 27 anos. È o avião de passageiros mais velho da Icelandair .... e com taxa de leasing superior aos que a TACV tinha. Parece de facto um excelente negócio ..... para a Icelandair Kkkkkkk.
Responder
0 # Djosa Neves 08-11-2017 00:53
Os TACV são uma pequena peça de um puzzle mais complexo, de que faz parte o Hub aéreo, as reformas económicas, da educação, as REFORMAS ESTRUTURAIS ás quais se somam um conjunto de iniciativas. A maquina Governamental está trabalhando com vista a POSICIONARMOS nosso país como um participante activo na economia mundial. Se analisarmos a história da Economia Cabo Verdiana, os momentos de PROSPERIDADE que estas dez ilhas conheceram, só aconteceram quando estivemos integrados em contextos maiores. Este Governo sabe o que quer, como fazer e está trabalhando com olhos postos nos OBJECTIVOS: Retirar o país da ESTAGNAÇÃO, mediocridade e criar as bases para um Desenvolvimento SUSTENTADO. Se há remedios com alguma vendas por este dias, são os indicados para DOR DE COTOVELO, embrulhados nuns papelitos amarelos. E rapidamente estarão aumentando a dosagem, passando dos 100 para os 500 mg, porque as soluções chegarão em sequencia. A tática PAICViana de dizer mal, das intrigas e manipulação dos sentimentos, vai-se esgotando aos poucos e tem prazo de validade até 2º semestre de 2018. O PAICV sofrerá não so os efeitos boomerang de seu taticismo infantil, como poderá vir a pagar um preço elevado por não ter tido a coragem de se RENOVAR logo a seguir ás eleições. Sem estratégia, ASSOMBRADO por um passado medíocre, sobreviverá de soluços e erros alheios. Se a BAZOFARIA não superou a REALIDADE, o vazio não tem chances contra SOLUÇÕES e resultados. Só o MPD poderá abalar a Governação.
Responder
0 # Simbar 09-11-2017 11:40
Um dia os PAICleViano(a)s, vão olhar para traz e dizer:
TEMOS O PAIS POSSÍVEL, onde todos os caboverdinos estarão felizes e orgulhosos dos nossos governantes, #tenho dito.
Responder