Pub

boeing icelandaiertacv

Os dois aparelhos que a companhia islandesa gestora da TACV anunciou para Novembro já estão pintados com as cores de Cabo Verde. Os 50 pilotos da TACV vão continuar a receber em casa pelo menos até Maio do próximo ano.

A Icelandair, empresa islandesa que lidera negócio internacional da TACV, já concluiu os trabalhos de pintura dos dois primeiros boeings 757 (ver fotos) que prometeu colocar à disposição da transportadora aérea nacional no âmbito de contrato de gestão assinado com o Governo. As duas aeronaves, de 215 passageiros, são esperadas este domingo, 5, permitindo à TACV retomar voos internacionais regulares a partir de terça-feira, 7 – em Dezembro chegará o terceiro aparelho da Icelandair.

Nesta fase, sabe Santiago Magazine, a TACV Internacional vai operar apenas com o pessoal de cabine (assistentes de bordo) de Cabo Verde. Todo o resto será assumido pelo pessoal da Icelandair, isto é, pilotos, técnicos de manutenção e de operações. No caso dos pilotos, num total de 50 pertencentes ao quadro da TACV vão ficar em casa pelo menos até Maio do próximo ano, altura em que os aparelhos deverão obter o respectivo registo e licença junto da Agência de Aviação Civil, segundo este diário digital apurou.

Indefinida fica a situação do pessoal de manutenção da TACV, sector que espera também pela sua privatização.

boeing

 

Para já, a TACV retoma, a partir do dia 7 deste mês, a sua operação entre a cidade da Praia e Lisboa, em voos diários. A própria transportadora aérea cabo-verdiana anunciou a novidade no seu stand na Expo Abreu, que decorreu no passado fim-de-semana na FIL (Parque das Nações), em Lisboa, Portugal.

A TACV revelou ainda a sua operação desde Lisboa, para Fortaleza e Recife, quatro vezes por semana, com conexão imediata do aeroporto da Praia, a partir de 3 de Dezembro. Uma vez que o hub da companhia passará a ser no Sal, as conexões destes voos para o Brasil deverão ser igualmente transferidos para aquela ilha.

Segundo o site turisver.com, “com esta retoma das ligações ao Brasil, operadores turísticos portugueses, nomeadamente a Solférias, já ponderam programar pacotes turísticos para Fortaleza e Recife, via Cabo Verde, uma forma também de colmatar a falta de lugares disponibilizados pela TAP”.

Note-se que a empresa cabo-verdiana, cujo negócio internacional passou a ser gerido pelo grupo Icelandair, estava a enfrentar grandes dificuldades para assegurar as ligações internacionais por falta de avião – o único Boeing da companhia, o 757, teve que parar por causa de avaria num motor e a empresa teve dificuldades em alugar um outro aparelho devido à época alta, conforme explicara o Governo.

Estávamos no início de Setembro, época alta, e isso levou a que vários passageiros ficassem em terra, sendo ao poucos reencaminhados através de outras companhias aéreas. A TACV estimou um prejuízo de mais de 200 mil contos com a avaria do motor do Boeing 757, devido ao cancelamento de voos e ao reencaminhamento de mais de 4 mil passageiros.

José Luís Sá Nogueira afirmou na altura que a Icelandair, empresa que assinou um contrato de gestão da TACV, não conseguiu ajudar por falta de disponibilidade de aviões.

Esse acordo, prevê que a Icelandair venha a reforçar a frota internacional da TACV com mais dois aviões, aumentando para cinco até final de 2018 e onze dentro de três anos. Os dois primeiros aparelhos devem chegar este fim de semana.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Ser Africano 05-11-2017 17:37
Um conjunto de ladroes e bandidos, so procurarem o deles nesses ultimos anos vao estar a roubar e juntar para anos vindouros, no ultimo ano de mandato vao prometer e ate dar o 13 de forma a verem se continuam a mamar; brevemente vao mandar os dados de todos os caboverdianos para os eua e para ue, fazem acordos de vem a nos e esquecem do vosso reino. venderem povos pelo desbarato e so a procura de bem propio deles e dos seus, um conjunto de fdp's. Parecem lambe cricas, querem ser europeus e americanos e dando tudo sem retorno aldraboes daqui a uns anos nada teremos, europeus enrequeceram com lavagem de capitais e dizem que agora e crime e fazem eles todos dias isso, os americanos dizem drogra e crime e nao e deve fazer isso e andaram incluindo bush pai presidente a traficar a droga junto a cia, depois dizem nao facam, e enriquecem com isso. a verdade tem medo daquilo que nao controlam, e nossos governantes de bandeja dando nossos dados pessoais e nossas contas e saldo a um conjunto de assassinos
Responder
0 # Caty Lopes 04-11-2017 07:16
A TACV tem um contrato de gestão com Loftleidir Icelandic, conforme anunciado pelo Ministério das Finanças. Os aviões Boeings 757 e 75x, serão alugados pelo Icelandair a TACV e inicialmente com toda a tripulação de cabine, serviço de manutenção e de operação, utilizando apenas os serviços de assistência de bordo, ou seja, as nossas aeromoças e os nossos aeromoços. No fundo se continua a fazer o mesmo relacionamento comercial de aluguer de aviões, como se faz actualmente com a Euro Atlântico e outras compainhas Hungaras, Checas e Sul-africana. O que não se apercebe é o porquê colocar o nome da TACV, em aviões ainda alugadas a Icelandair, que ainda nem se quer tem um contrato com a TACV e se tiver ainda não foi divulgado oficialmente no BO. Isso pode demonstrar que a Icelandair não tem certificado de nivel 1 para fazer voos para os EUA e se utiliza o dos TACV para a efectivação dos mesmos. A aluguer dos aviões da ICELANDAIR a TACV vai deixa-la depenada em termos financeiro, porque o custo de aluguer é sempre igual, independentemente dos aviões estiverem cheios de passageiros ou não, sabendo que os voos da TACV são deficitarios em termos de passageiros e cargas, que caso não fosse o TACV seria hoje uma companhia aerea pujante economica e financeiramente. A TACV vai ficar enterrada com os 11 boeings, que estão para chegar até 2020, que vão servir no transporte para estrangeiro todos os governantes e os seus familiares, os de[censurado]dos carismaticos, os militantes frenéticos e os simpatizantes rabentolas e apaixonados. Esses 11 aviões so terão sentido pràtico se a TACV conseguir o monopolio de colocar e tirar os turistas de Cabo Verde, o que não é possivel no mundo global e concorrêncial. Um desses boeings fica destinado para a ilha Brava e o outro para Porto Novo de Santo Antão. Fica bom e bonito.
Responder
+1 # Djosa Neves 03-11-2017 04:57
Esta-se mesmo a ver: os treinadores de asa e os maldicensos a levantar um tsunami de intrigas e fantasmas. Não têm coragem de fazer nada, não assumem nada, e são sempre os primeiros a criar OBSTACULOS. Vá, vão lá trabalhar, criem coragem, entrem numa escola de empreendedorismo e esperem pelos RESULTADOS. Os bazofentos reclamam por tudo JÁ (porque não sabem fazer BEM!!) e quando as coisas começam a surgir de forma sequencial e responsável, BERRAM por maior celeridade e conclamam por outros modelos. Um país como o nosso precisa de vencer os DESAFIOS que lhe são colocados. Para isso é preciso CONHECIMENTO, RESPONSABILIDADE E OUSADIA.
Responder
0 # Carlos 02-11-2017 17:35
Uma boa notícia. Espero que dê certo.
Responder
-1 # Planalto 02-11-2017 16:16
Quanto que isto custa ao país?
Devemos passar a ter vergonha na cara. A Islândia é um país com quase metade da população cabo-verdiana, ou seja 320 mil e tal habitante. Como é que um país deste esteja a nos "socorrer"?
Era bom que fizessemos do caso TACV um study case. Estou quase certo que o que se passou com a TACV é apenas a ponta do ice-berg do que nós somos em matéria de gestão. Se não vejamos: Singapura tomou independência em 1956 e tinha um PIB per capita de cerca de 200 dólares. Cabo Verde tomou a independência em 1975, com o PIB per capita de 100 e tal dólares. Hoje, Singapura tem um PIB per capita de 56.000 dólares e nós o nosso PIB per capita é de 3400 e tal dólares. Ambos os país, não tem recursos naturais tradicionais e a Singapura tem o agravante de ser um país com tamanho da ilha de Boa Vista e uma população heterogénea, culturalmente. De uma simples "aldeia piscatória para um dos gigantes económicos do mundo.
Responder
0 # Luiz Nunes 11-11-2017 07:31
#Planalto excelente observação. Recordo que em 2014 visitando um importante líder político de Cabo Verde, o mesmo se ofendeu quando quis aventar essa comparação entre Cabo Verde e Singapura...
Sou brasileiro, mas parece que aqui se dá o mesmo fenómeno que lá: não se acredita realmente no potencial humano, tendo sempre uma mentalidade subserviente de que os "de fora" sempre podem mais e fazem melhor... que triste!
Responder
+1 # Robert 02-11-2017 08:45
A TACV fez um contrato de Gestão com a Loftleidir Icelandic, segundo anuncio do MF, quanto ao aluguer destes 2 avioes à Icelandair, diz-se que é um contrato à parte de aluguer de aviões entre a TACV e a Icelandair, como vinha sendo feito com a EuroAtlantico. Até agora esse " parceiro" não trouxe nada de novo a TACV.
Responder