Pub

jorge santos

O enfoque é na família Santos, do presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, cujo irmão, Maurício Santos, lidera uma sociadade que tenciona adquirir a Emprofac, supostamente, por meio de lobbies. Mas o site Chine-Lusophone Brief (clbrief.com), um serviço que trata das relações comerciais da China com os países de língua portugesa, traz também à tona eventuais tráficos de influência a favor das famílias Fernandes e Silva e ainda aponta para certos cargos de chefia na Administração Pública e empresas detidas pelo Estado "oferecidos" por Ulisses Correia e Silva a amigos pessoais e antigos colegas de escola, os da então 'Turma A' do Liceu Domingos Ramos, que regularmente se encontram em almoços e jantares em diferentes sítios - uma tradição que UCS raramente falha.

Essa situação, constata o clbrief.com, com sede em Macau, criou inclusive mal-estar nos círculos do MpD próximos de Carlos Veiga, ex-chefe do Governo e atual embaixador de Cabo Verde em Washington, acrescentando a publicação que, nesse quesito, Humberto Cardoso, ex-dirigente do MpD e actual director do jornal Expresso das Ilhas, "está entre os que expressaram descontentamento com mais veemência". A peça do clbrief.com foi publicada em finais de Julho, mas dada a relevância dos assuntos abordados e a qualidade das informações nela contida, Santiago Magazine publica o artigo (originalmente editado em inglês) na íntegra.

 

«As famílias da Saúde da Riqueza em Cabo Verde

A saúde está no coração da família Santos, uma das mais influentes de Cabo Verde, cujo membro mais proeminente é Jorge Santos, presidente do parlamento e uma figura-chave dentro do partido liberal Movimento pela Democracia (MpD), que detém a maioria parlamentar e apoia o atual presidente. Com o desdobramento de várias privatizações, espera-se que os Santos reforcem ainda mais a sua posição no setor da saúde.

Com Jorge Pedro Mauricio dos Santos (nascido em 1962), ex-presidente da Associação Nacional de Municípios de Cabo Verde (ANMCV) e membro de alto escalão da OECV (Ordem dos Engenheiros de Cabo Verde), diretamente envolvido na política na Assembleia Nacional e o partido MpD (líder, 2006–2010), outro membro da família, António Maurício Santos, é agora o principal agente nos negócios da família, de acordo com nossas fontes.

Secretário de Estado dos Transportes na década de 1990, no governo de Carlos Veiga, António Maurício Santos foi o diretor de campanha do MpD nas eleições legislativas de 2016 que levaram Ulisses Correia e Silva ao poder.

Suas irmãs também têm interesses no setor de saúde: Helena Santos, gerente farmacêutica da cidade de Praia, e Edite Santos, membro do conselho da Inpharma (40% da Emprofac) - e, até 2016, membro do conselho da estatal a farmacêutica Emprofac, que está prestes a ser privatizada.

Suas origens comuns na ilha de Santo Antão, mais especificamente na cidade de Ribeira Grande, também conectam a família Santos ao ministro da Saúde Arlindo Nascimento do Rosário, fato que também é considerado vantajoso no atual contexto de privatização.

O interesse da família Santos no Emprofac está bem estabelecido, pelo menos desde o primeiro anúncio de privatização, realizado no final dos anos 90, pelo então vice-primeiro-ministro Gualberto do Rosário.

Com o relançamento das privatizações após a vitória eleitoral do MpD em 2016, a família Santos rapidamente se posicionou como uma das principais interessadas em comprar a empresa. Para isso, criou uma empresa chamada Sodifarma, na qual desejava combinar as principais farmácias do país.

Foi solicitado um montante de CVE3 milhões (US $ 30.548) a cada uma das farmácias para constituir o capital social da Sodifarma. Mas a intenção de envolver a maioria das farmácias nessa sociedade fracassou e as empresas da família Santos acabaram subscrevendo a maior parte do estoque.

Após o estabelecimento da Sodifarma, o governo foi solicitado a autorizar a importação de medicamentos pela empresa, mas este foi rejeitado para evitar a concorrência do Emprofac, que detém o monopólio da atividade. A possível abertura do mercado de produtos farmacêuticos é vista como inviável devido ao pequeno tamanho e insularidade do país.

Mas a família Santos terá que lutar pelo monopólio do comércio farmacêutico, de acordo com nossas fontes. A empresa farmacêutica portuguesa Mercafar, SA também manifestou interesse na privatização da Emprofac. Colabora com a Emprofac desde 2008, prestando serviços de consultoria e treinamento nos setores técnico, sistemas de informação, vendas e logística, e mais recentemente apoiou a abertura do novo armazém da empresa na Praia e o treinamento de funcionários na área de distribuição.

A Mercafar, SA pertence ao Cooprofar-Medlog Group, uma holding da Cooprofar-Cooperativa dos Proprietários de Farmácia, CRL, a maior cooperativa portuguesa, que fornece mais de 1.000 farmácias em todo o país e faturou mais de EUR 350 milhões (US US $ 421,26 milhões) em 2017.

Quem adquirir o Emprofac também terá uma posição privilegiada na Inpharma (40%), que produz 35% dos medicamentos utilizados no país. O objetivo é atingir 50% - e possivelmente a internacionalização - com a conclusão de uma nova planta de US $ 6,74 milhões, prevista para o segundo semestre de 2020, e uma segunda instalação, prevista para começar a construção em 2021.

O governo de Ulisses Correia e Silva impôs, com o apoio de parceiros internacionais, uma agenda de liberalização econômica, na qual a retirada do Estado das empresas, na maioria dos casos fortemente endividada, a ser concluída até 2021, é de particular importância. Nos 15 anos de governança do PAICV (2001 – 2016), nenhuma empresa pública foi privatizada.

Além do Emprofac, o executivo da Silva pretende vender ou arrendar empresas relacionadas a telecomunicações (NOSi e CVTelecom), portos (ENAPOR), aeroportos (ASA, AM 1999), imóveis (IFH), estaleiros (CABNAVE), serviços postais (Correios). Cabo Verde), seguros (Promotora) e hospitalidade (EHTCV). O processo de privatização da TACV Internacional, uma transportadora já administrada pela Icelandair, e a concessão de transporte entre ilhas, já foram concluídos.

Os Santos não estão sozinhos; várias outras famílias próximas ao MpD têm ascendido a posições de poder no estado e em empresas públicas.

A distribuição pelo PM Ulisses Correia e Silva, a ex-colegas e amigos pessoais, de cargos na administração central e empresas públicas criou mal-estar nos círculos do MpD perto de Carlos Veiga, ex-PM e atual embaixador em Washington. Humberto Cardoso, ex-membro do parlamento e ex-líder do partido, está entre os que expressaram descontentamento com mais veemência.

Na distribuição de cargos, destaca-se a importância assumida pelas famílias Fernandes e Silva. Ex-vizinhos de Ulisses Correia e Silva no bairro Platô, o centro histórico da Praia onde Silva cresceu, quatro irmãos da família Fernandes foram nomeados para cargos de chefia no Estado: António Fernandes, CEO da NOSi; José Augusto Fernandes, presidente do Comitê Executivo do Instituto Nacional de Seguridade Social (INPS); Albertino Fernandes, CEO da FICASE (Fundação Cabo-Verdiana de Ação Social Escolar); Fátima Fernandes, administradora do IE (Instituto de Estradas).

Da família Silva, que compartilha algum grau de parentesco com o primeiro-ministro, foram nomeados Eunice Silva, ministra de Infraestrutura, Planeamento e Habitação; Luís Silva, deputado do MpD; e Mayra Silva, gerente principal da Casa do Cidadão.

Entre o grupo de amigos pessoais de Ulisses Correia e Silva estão Guevara Cruz, técnico em informática, nomeado diretor nacional de Administração Pública, e Carlos Santos, nomeado diretor executivo da NOSi, depois de vários anos como o braço direito do então primeiro-ministro José Maria Neves (JMN) na unidade de Reforma do Rstado.

Outro 'lobby' promovido por Ulisses Correia e Silva é o dos ex-colegas de escola (conhecidos como 'turma A'). Do grupo, que ainda se encontra na cidade da Praia com a presença de Silva, vários nomes foram apresentados e agora ocupam posições importantes na administração do Estado, como a diplomata Maria de Jesus Mascarenhas, Alexandre Monteiro (CEO da Electra) e Gil Évora (CEO da Emprofac)».



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Revoltado 31-10-2019 13:34
E uma vergonha national por estes barrigudos engravatados que nada chega pour eles !
Responder
+1 # Jesus 16-10-2019 12:39
Felizmente as denúncias têm sido feitas. Pena que quase todas, exclusivamente, nas redes sociais ou nas entrelinhas de vários artigos. De todo o modo, se fosse, por exemplo, em Portugal o Ministério Público já teria andado, há bastante tempo, a fazer investigaçõs sobretudo dos casos mais gritantes. Entretanto, vem o novo Procurador Geral da República. Há expectativas naturais da sociedade de que ele poderá fazer mais e melhor. Mas quantos de nós acreditamos que ele vá mexer muito no status quo?
Responder
+1 # Berdiano Barela 15-10-2019 15:00
Tem mais! O Silvino Santos, engenheiro e irmao, do SGL tem adjudicações d obras a dar com paus! O Mauricio dos santos, arquiteto e irmão, abocanha todos os projectos gordos do estado! Carlos Monteiro Santos, construções metalicas e irmão, tem obras à vontadinha! Leila Santos, adovagada e irmã ainda mulher do Ministro Fernando Elisio, e socia da mulher do Presidente da Republica tem casos e avenças girdas em abundância. Convém salientar que esses santos para além de serem irmãos do Jorge Santos, também são concunhados do Ulisses Correia e Silva. Há muitos mais! Se os chineses não tiverem preguiça, isto dará um livro de árvore genealogica... desiludida com esta terra minha.
Responder
+2 # joao oliveira cruz 15-10-2019 11:45
Quem esteve no Governo e que nao usurpou os bens do Estado, que atire a primeira pedra!
Os chineses nao trouxeram nenhuma novidade.
Vigaristas e oportunistas sao mais antigos do que Cabo Verde independente.
Responder
0 # Santinho 15-10-2019 10:13
O merecido respeito ao Sr que pôs os filhos na escola, como tantos outros pais desta terra o fizeram.
Isso não é passaporte livre para os SANTOS abocanharem todos os cargos públicos, em instituições do Estado e empresas públicas, ou seja, pagos com o nosso dinheiro.
Porquê, os demais filhos e netos, que também estudaram, são menos competentes?
Ahn, esquecia-me, nós os outros fomos sentenciados como PECADORES!
Mérito é só para os do MPD e comanditas e encostados, o resto... pois, o resto dos caboverdianos, que também estudaram, e que tiveram Srs Pais e Mães a sacrificar por eles, bem, o resto, é tudo burro, só ascendem aos cargos e postos por cunha, não é?
Nhos meten dedu na boca ba odja sin ten denti
Responder
0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 17-10-2019 08:47
O actual MPD poderá hoje simplesmente chamar- se ASSOCIAÇÃO DAS FAMÍLIAS SILVA, SANTOS E FERNANDES. O resto são paisagens.
Responder
+1 # oliveira 14-10-2019 21:04
milagre do MpD… grande efeitos das famílias DOS SANTOS E SILVA em pouco ou mais de três anos conseguiram toda essa fortuna…
só pode ser milagre … onde estava o PAI...
Responder
0 # Ruizinho Gonçalves 14-10-2019 17:30
Ministerio Publico deve investiga. Onde esta Presidente da Republica? Carlos Veiga tem razao. Porisso que Ulisses na EUA nao participou no jantar em homenagem a Carlos Veiga e deu instruçoes aos militantes e dirigentes que se encontravam la para nao participarem. Felizmente o ex-de[censurado]do de MPD, Candido denunciou nas redes sociais.
Responder
-3 # Venceslau Cardoso 14-10-2019 16:36
Paicv quer enganar os mais destraidos. MpD não tem lição receber do PAIC nesta matéria. O povo sabe muito bem quem são vocês. Agora é mentir por todo os lados para verem se consiguem alguma coisa nas eleições que se avizinham. O povo está consciente das suas obrigações. Abaixo mentira. Abaixo calunia. Viva Cabo Verde. Viva o nosso povo.
Responder
0 # Visionario 14-10-2019 13:44
Totó,
Simples!
Naná é, de nome proprio:Arnaldo Silva!
Responder
+2 # Ernesto Rodrigues 14-10-2019 11:27
MPD no seu melhor.
O Ministério Publico que investigue.
Responder
-1 # toto 13-10-2019 22:07
como entra Nana no arvore genealógico dos Santos e os Silva
Responder
+3 # Basbakadu 13-10-2019 18:43
Verdadiii?!
Tudu enrudidjadu na kumpanheru sim?
Anton é 3 a 5 familias e amigus di peitu os Donus Disto Tudo?!!!
Xiiiiçaaaa tambe!
Ka nu abri odju não?
Falidus, fominhas...
Responder
+10 # Odju ragaladu 13-10-2019 15:13
Mas mais, esqueceram-se que Jorge Satos é cunhado de Fernando Elisio Freire( irmã de Jorge Santos que, por sinal, é socia do escritorio da primeira dama, esposa do PR- aquele escritorio que está a defender o Naná- e que foi a anterior bbastonaria da ordem dos advogados) e concunhado de Ulisses Correia e Silva( outra irmã de Jorge Santos é casa com irmão de Ulisses Correia e Silva)!
E tem lata em falar de nepotismos...
Ma pa dianti ki é kaminhu
Responder
+4 # toto 13-10-2019 14:14
A DENUNCIA esta feita e agora ?????????
Se e' verdade como os estrangeiros sabem e os Cabo verdeados não ,me respondam?
Responder
+1 # maria de Fatima Rodr 14-10-2019 12:53
Será que vamos continuar nesta senda de impunidade?
Devem averiguar e dar andamento nos processos.
O dinheiro e do Povo, não dos Governantes
Responder
-5 # Gastão Elias. 13-10-2019 12:28
A esquerda radical mora em Cabo Verde. O Estado tem de estar presente. No assunto dos armadores nacionais e o transporte inter ilhas, acusa se que os nacionais não são protegidos. Agora uma empresa nacional é criticada por se candidatar a uma privatização. Difícil de entender.
Responder
+6 # Xicos espertos 13-10-2019 10:37
Enfim isso daí é tão visível que nem parece de comentários.... Nunca mais teremos um estado democrático e livre, onde reina o mérito e a competência.....

Mais sim reina os xicus expertos...
Responder
0 # Pedro Pires 14-10-2019 11:28
Santiagomagazine tinha denunciado terreno que Rafael Fernandes tinha dado a fidjo de Mauricio dos Santos na Quebra Canela.


https://www.santiagomagazine.cv/index.php/editorial/3216-a-mafia-de-terrenos-e-o-dinheiro-que-nunca-mais-acaba-ii
Responder
0 # Manuel andrade 17-10-2019 18:17
Só ladroes corruptos merecem todos a mesma proposta que a china disse sobre o Brasil “Pena de morte” aí eles aprendem a comportarem-se
Responder