Pub

Binter Voo Inaugural 1

O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, reiterou esta terça-feira, 29, que o Estado não pretende ter mais do que 30% do capital da Binter Cabo Verde, ou seja, não vai adquirir os 19% que vão ser colocados à venda.

“Nós acordamos a entrada do Estado de Cabo Verde com 30% do capital pela saída na operação doméstica. Nós não queremos ser acionistas de empresa para termos administradores públicos juntamente com privados. Nós queremos que a empresa preste um bom serviço para os cabo-verdianos”, salientou.

Olavo Correia que falava aos jornalistas durante uma visita realizada hoje à empresa de Telecomunicações Cabo Verde Telecom (CVT), disse que as negociações já estão s ser concluídas, sendo que os 19% vão ser colocados no mercado para quem os quiser comprar.

Mesmo que não apareça um privado nacional para adquirir os 19% do capital da Binter e garantir que os 49% do capital da empresa que detém o monopólio das ligações inter-ilhas, seja nacional, o Governo não vai comprar, porque, na perspectiva do ministro, “não há necessidade de o Estado ter uma presença activa na empresa”.

“Nós temos uma entidade de regulação que deve intervir com eficiência para regular os preços e manter a qualidade do serviço e isso que é mais importante. Estamos a ultimar as negociações e penso que tudo fica rapidamente fechado de ponto de vista formal”, realçou.

A Binter Cabo Verde está a operar nas linhas domesticas desde Novembro de 2016 e, em Agosto do ano passado, assumiu o monopólio das ligações áreas domésticas em Cabo Verde.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar