Pub
Por: Redacção

TACV boeing 

 

Medida, já publicada no B.O., entra em vigor esta terça-feira, 23. São mais 5,5 milhões dólares (cerca de 550 mil contos) que o Executivo autoriza a TACV a contrair de empréstimo junto da Caixa Económica para fretar um novo Boeing a substituir o ‘Emigranti’, ao que consta, em reparação nos EUA.

 

A TACV vai pedir emprestado à Caixa Económica de Cabo Verde 550 mil contos "por forma a mobilizar no mercado uma aeronave em regime de wet lease", diz o Governo na nota explicativa à Resolução do Conselho de Ministros que autoriza a companhia de bandeira nacional contrair novo empréstimo bancário, publicada esta segunda-feira, 22, no Boletim Oficial, e a vigorar a partir desta terça-feira.

"Em consequência de uma avaria material num dos motores, o B757-200, o único jacto da frota da empresa, encontra-se inoperante, exigindo que os TACV tenham de recorrer a um financiamento bancário junto da Caixa Económica de Cabo Verde (...) por forma a mobilizar no mercado uma aeronave em regime de wet leasing, com o objectivo de dar continuidade ao seu programa de voos e garantir os direitos dos passageiros com passagens adquiridas e voos cancelados", justifica o Governo - resta, entretanto, saber qual a  companhia ou broker que irá fornecer o novo aparelho.

Na verdade, este aval foi aprovado desde 21 de Setembro do ano passado – pouco mais de um mês após a entrada da Icelandair na gestão da companhia de bandeira nacional - pelo Conselho de Ministros, mas só foi publicado no Boletim Oficial desta segunda-feira, entrando hoje em vigor.

E um mês depois, em Outubro de 2017, o Governo voltou a aceitar ser avalista da TACV para um empréstimo de 1,5 milhões de contos que deveria ser destinado ao pagamento das indemnizações aos trabalhadores dispensados no âmbito da reestruturação da empresa. 

Antes, em Julho do ano passado, a transportadora aérea cabo-verdiana havia pedido outro empréstimo bancário no valor de 187 mil contos, junto do Banco Privado Internacional (BPI), igualmente com o Estado como avalista. Ou seja, em menos de um ano o Governo já autorizou a TACV a contrair junto dos bancos comerciais um total de cerca de 2,2 milhões de contos em empréstimos. 

Com um passivo de 11 milhões de contos, a TACV, recorde-se, está em processo de reestruturação para ser privatizada, segundo recomendações e exigências do Grupo de Apoio Orçamental, integrado pelo Banco Mundial, FMI, Portugal, Luxemburgo e BAD. É por causa disso que a operadora deixou de voar entre as ilhas e, desde Agosto do ano passado, é gerida pela companhia islandesa Loftleider Icelandic, do grupo Icelandair, mediante um contrato de gestão de um ano assinado com o Governo que previa também a vinda de dois Boeings no imediato e de mais três aparelhos até Dezembro último.

Só que desde Novembro do ano passado a companhia está a operar com dois aviões fretados precisamente à Icelandair, que, devido ao regime de wet lease, traz também a sua tripulação, garante a manutenção, o pagamento dos combustíveis, taxas aeroportuárias e os seguros do avião.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # #Santiaguense 23-01-2018 18:17
Esta parceria da Icelandair com o TACV está cheirando um negócio de lesa pátria, para o Estado de Cabo Verde.
Senão vejamos:
A gestão da Icelandair na TACV decidiu prematuramente devolver o Boeing 757, Beleza ao seu dono. O contrato de DRY leasing era até 2023. Com esta devolução prematura a TACV irá pagar á empresa dona do avião, cerca de 16 milhões de dólares, sendo 12 milhões de rendas mais cerca de 4 milhões para reparação do motor avariado.
No entretanto a Icelandair propõe à TACV adquirir em regime de wet leasing, tal como diz a noticia, mais um avião Boeing 757. Tudo leva a acreditar que o dono deste avião será também a Icelandair. Tratando-se de wet leasing (avião+tripulação+manutenção+seguro), a renda mensal rondará 1 milhão de dólares/mês e com o agravante dos pilotos e técnicos de matutenção ficarem a ganhar sem fazer nada, ou serão descartados brevemente, com custos de indemnização daí advenientes.
A renda DRY leasing do Boeing Beleza (devolvido), era de cerda de 200 mil dólares/mês e o avião era operado por 100% de tripulação Cabo-verdiana a mantida a 100% por técnicos Cabo-verdianos.
Tanto quanto se sabe, até hoje a Icelandair não investiu um centavo na TACV, mas vai ganhando milhões com este negócio de lesa pátria.
E nisto tudo pergunta-se onde está o governo para defender o interesse dos Cabo-verdianos?
Fica-se com a sensação de que a Icelandair tem carta branca do governo de Cabo Verde para fazer o que lhe der na gana à TACV, com o agravante de que todos os custos serem suportados pelo Estado de Cabo Verde. Que raio de parceria é esta?
Responder
0 # Djosa Neves 26-01-2018 13:26
Por onde andava tanta sabedoria e conhecimento, enquanto os TACV se afundavam? No País das Maravilhas, suponho!! Sabedoria em dizer mal, abunda nesta terra; mas para fazer bem, a sabedoria, toma um cha de sumiço ou de camomila e entra em hibernação
Responder
0 # Burros!! 24-01-2018 08:08
Excelente comentário meu caro.
A renda mensal do wet leasing neste momento é exatamente 1 milhão 140 mil euros/mês para cada avião. Imaginem o total para 3 aviões. Um negocio de sonho para Icelandair, em 6 meses com apenas 2 aviões colocados nos TACV, vão ganhar 13 milhões de euros.
''Na terra de burro, cabalo que rei!!''
Responder
0 # Djosa Neves 26-01-2018 13:30
Só em cabecinhas fracas, minadas e dominadas pela corrupção é que germinam ideias do tipo. Então a Icelandair, proveniente de um país com o indice de corrupção mais baixo do mundo, precisa vir a Cabo Verde, formar-se nessas práticas?? Não será a cabecinha alimentada a carvão?
Responder
+1 # Caty Lopes 23-01-2018 17:36
Não se compreende o quê que se quer com os TACV, que ainda continua a funcionar com recurso aos impostos da nossa desgraça e da nossa felicidade. Onde estão os aviões da Icelandair, que se instalou no paîs para salvar os TACV, em que o Dr. Olavo Correia, deve uma explicação a Nação. Chiça com essa merdice de gestão dos TACV, pela Icelandair.
Responder
0 # Santos 23-01-2018 16:33
Eu pensava que a empresa Iceland que iria injectar dinheiro na TACV, mas que tipo de negocio é esse??? afinal os contribuintes continuam a financiar a TACV...
Responder