Pub

Nicholas Barros CV

O atleta Nicholas Barros conquistou hoje a medalha de ouro na modalidade futebol freestyle, disciplina de rotina, e a medalha de prata na mesma modalidade, mas na disciplina de batalha.

Com a arena 3 de Santa Maria totalmente lotada, Nicholas Barros, também conhecido por Miki, conquistou a medalha de ouro logo na primeira prova em que estavam em disputa seis concorrentes, em representação de seis países, designadamente Cabo Verde, Argélia (2), Gana, Líbia, Marrocos (2) e Zâmbia.

Com malabarismo com a bola no estilo livre, o atleta cabo-verdiano partilhou o pódio com o argelino Nouredinne Saidi  (prata) e com o marroquino Djedji Othamane na competição individual routines.

Na competição individual batalha, Miki começou por eliminar o zambiano Chila Cecil, para se apurar para quartos-de-final, deixou pelo caminho o ganes Asare Joel, vitória que ditou a sua qualificação para final, tendo conquistado a medalha de prata numa prova renhida, que ditou o ouro para o marroquino Djedji Othamane.

O presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, de entre outras individualidades, como o ministro do Desporto, assistiu a prova e subiu ao palco da competição no final da partida para agradecer o atleta crioulo, que “vestia” a bandeira cabo-verdiana, pelo feito.

Já consagrado com as duas medalhas, ouro e prata ao peito, Nicholas Barros disse à Inforpress que se sente um felizardo pelo êxito alcançado e pela forma como enfrentou grandes nomes do mundo do freestyle africano para levantar “bem alto a bandeira cabo-verdiana”.

“Senti-me emocionado ao ver a nossa bandeira a subir ao mais alto que todos. É um momento arrepiante e indescritível, já que não esperava por toda esta proeza”, afirmou Barros, que enalteceu o espírito de fair-play que, disse, reina no seio dos praticantes do freestyle.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar