Pub

Abraão Vicente Morna

 

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, disse que Cabo Verde está hoje orgulhoso de ser e de pertencer a essa grande nação, com a classificação da morna a Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Abraão Vicente, que é também presidente da Comissão Nacional da Unesco (CNU), fez esta afirmação, a partir de Bogotá, Colômbia, depois de ter sido parabenizado pela Unesco pelo facto de a morna já ser reconhecida como património mundial.

Durante a 14ª reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, os 24 países presentes aprovaram sem nenhuma objecção o dossiê de candidatura da morna.

Num discurso de quase dois minutos, Abraão Vicente agradeceu, em nome do povo cabo-verdiano e do Governo, à Unesco por todo o apoio dado para a consagração da morna como Património Cultural e Imaterial da Humanidade.

“Hoje, o meu país celebra, o meu pequeno país, formando por 10 ilhas no meio do Atlântico, meio milhão de habitantes residentes e um milhão de habitantes em todo o mundo, o meu país celebra a inscrição da sua alma como parte da humanidade”, enalteceu.

O governante agradeceu ainda todos os ‘expert’ e toda a comunidade por este reconhecimento, que considerou ser o “vínculo emocional mais importante” do povo e da nação de Cabo Verde.

Abraão Vicente terminou o seu discurso convidando Nancy Vieira e o músico/compositor Manel de Candinho para brindar os presentes na sala com uma morna, uma forma do povo cabo-verdiano agradecer pela elevação da sua cultura e das suas raízes.

A delegação chefiada por Abraão Vicente é formada pelo presidente do Instituto do Património Cultural (IPC), Hamilton Jair Fernandes, a secretária executiva da CNU, Carla Palavra, e a coordenadora do dossiê de candidatura da morna, Sandra Mascarenhas.

Com Inforpress

 

Artigo relacionado:

Agora é oficial. Morna é Património Imaterial da Humanidade

 

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Fantonelli Mariah 12-12-2019 10:22
Obrigado a toda nação dos trovadores Cabo-verdianos e parabéns ao nosso grande e jovem ministro da Cultura e das Indústrias Criativas que, em abono da verdade, está a fazer um grandioso trabalho no MCIC, com devido respeito com as opiniões contrárias.
Responder