Pub
Por: Raphael d'Andrade

lisboa

I

Lisboa do estrangeiro

Cidade perde seu carreiro

Uma vez soube marinheiro

Agora não vê aportar seu veleiro

II

Corvos e gaivotas de mastro quebrado

Divorciaram-se à luz do quebrantado

Largaram vela

Não chamando por caravela

Os negros falantes

Viajantes ao favor dos ventos da inteligência

As outras, devotas

De botas altas

Caíram certeiras

Adentro do fétido arraial

Casadas com o temporal

Abatido à urbe que desencanta urbanidade

Viadutos em bruto com pouco reduto

Que ventania na cidadania

III

Lisboa que é do estrageiro

É cidade que perde seu carreiro

Longe do seu caseiro

Cava fundo seu outro outeiro

 

PESADELO

I

De sobressalto a um pesadelo

Sem desvelo

Levantei-me beijando a mesa da bica

Reformulando

Pela membrana olvidada

A Terra dos poupados às elites

Daqueles remanescentes

Alguns mantêm os dentes

Finos, fininhas

Afunilados sem vinhas

De outros incluídos

Mas pouco intuídos

Dos ressabiados

Mas sempre assobiados

Dos recalcados

Frustrados, calados

Aos integrados

Dados por degradados

Dos marginalizados

Aos desintegrados

Dos excluídos

Eternizados moinhos moídos

II

De sobressalto a um pesadelo

Atordoado

Pensei no pesadelo da Terra feita guetos

Becos, bairros e bairrismos

Cada afinado a seu tom

Mas há outros que não afinam

Vivem permanente desafino

Desatino permanente

Arrancam-lhes o diapasão ao sol-posto

À Claridade do dia

Não são guetos, becos, bairros ou bairristas

Eles são ruas e ruelas, avenidas, praças e estradas

Arcadas também

E algerozes

De papelão embrulhado por notícias de jornal

Acomodados ao imóvel lancil

III

De sobressalto a um pesadelo

Com desvelo

Voltei à posição neutral

Entornei a bica dentro do pires da chávena

A colher atirou-se ao chão

Estrilhando com tonturas



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Valdemar Pereira 07-09-2018 10:47
Cada vez melhor.
Força, amigo.
Abraço ilhéu
Responder