Pub
Por: Armindo Tavares

XVII CENA

É tardinha. Paulito entra em casa e encontra a Bia na sala a arrumar.

PAULITO – Boa tarde, Bia.

BIA (em vez de responder-lhe boa tarde) – Nhu Desempate já te pagou?

PAULITO – Ainda não.

BIA (fora da cabeça) – Ainda não?! Só podes estar a gozar comigo!

PAULITO – Quero dizer-te uma coisa, mas por favor… me compreendas.

BIA – Desde que não seja a mesma lengalenga de ontem!

PAULITO – Não. É um assunto muito sério. No que ontem se passou já nem estou a pensar. Sei que é tudo mentira!

BIA – Como vocês os homens, basta vos digam que a mulher vos põe os cornos, acreditam… armam-se em doidos!

PAULITO – Eu tenho confiança em ti, Bia.

BIA – Felizmente. Quando tu queres és compreensível. Mas olha… alebi ta duê dimás [calúnia ou falsidade dói demais]!

PAULITO – Também eles vão pagar. Mentirosos!

BIA – Tenho fé em Deus que vão pagar. Difamar uma pessoa inocente!…

PAULITO – Como se têm preguiça em calar a boca.

BIA – E Nhu Desempate… o que é que ele te disse?

PAULITO – É precisamente por isso que quero falar contigo.

BIA – Sobre o quê?!

PAULITO – Mas jura que não te vais zangar.

BIA – Não juro nada. Não sei se não vou zangar!

PAULITO – O Patrão não apareceu hoje. Mandou dizer-nos que estava doente, com diarreia e vómitos, que nem conseguia levantar-se da cama…

BIA – Ele ainda não viu nada, estupor! É só suor de coitados que ele anda a tomar, agora está-se a purgar, sacana! O alheio sai até nos traques.

PAULITO – Deus é pai. Ele cura tudo, Bia. Se Ele achar que Nhu Desempate deve ficar com o meu dinheiro, da minha parte ele pode ficar.

BIA – Mentira!

PAULITO – Deus dá remédio, Bia.

BIA – Pelo que trabalhaste tu vais receber. É por isso que vos tratam de palerma. Eles não têm vergonha, vocês os deixam com o vosso dinheiro, eles ficam cada vez mais ricos, nós ficamos a comer macacos do nariz. Agora é que estou a perceber porque é que ficou rico tão rápido! Um homem que a semana passada era pastor de cabras!…

PAULITO – Tens cem por cento de razão. Mas ouça o que te quero propor.

BIA – Podes zurrar que eu ouço. Resta saber se aceito.

PAULITO – Sabes que tenho muitos amigos…

BIA – Sei que tens amigos para aproveitarem de ti… para te chularem.

PAULITO – Calma!

BIA – Mais do que isso?! Nem Jó que é Santo.

PAULITO – Já pensei em arranjar um baralho, vou falar com Nhu Léla, tomo cinco litros de grogue fiado na taberna dele, arranjo padjinha, mando chamar os meus rapazes e experimentamos pôr jogo de batota aqui em casa.

BIA – Jogo de batota?!

PAULITO – Verás como é que num instante nós orientamos. Não só com os ganhos das vendas do grogue, do ponche e da padjinha, por cada mão de jogo, se estão cem escudos na mesa, quinze escudos são para nós.

BIA – Tens a certeza que resulta?

PAULITO – Ontem fui a casa da Xia beber um grogue, ela tinha a casa cheia, com rapazes a jogar. Bia!… Xia fez dinheiro!

BIA – Se achas que resulta!…

PAULITO – Então queres?

BIA – Se tens a certeza de que vale a pena!…

PAULITO – Então vou começar a dar os expedientes. (Prepara para sair) Vou então arranjar os materiais. Manda Danilson chamar os rapazes.

BIA (chama) – DANILSON!

DANILSON (entra na sala, ele e Punoi seu irmãozinho) – Sim, mamã.

PAULITO – Se os rapazes chegarem antes de mim, manda-os entrar e sentar.

BIA – Vai chamar Nhu Seis, Patrick, Carlos e Djucruco para virem responder Paulito. (Para Punoi) Vai com o teu irmão?

DNILSON – Vamos, Punoi?

BIA – Àqueles que não encontrarem em casa deixem o recado.

PAULITO – Quando estiverem próximos das casas, chamem para segurarem os cães. Vão depressa.

Ele tenta beijar a Bia mas ela desvia a cara. Ele sai e os rapazes vão chegando.

NHU SEIS – Como é, Bia?

BIA – Conforme me estás a ver. Vida de pobre é como aquela coisa: esfrega-se ao caminhar anda, arreganha-se quando está de cócoras e, à noite o brejeiro apodera-se dela.

NHU SEIS – Tu tens cada coisa nesta tua cabeça! Para quê é que Paulito precisa de mim?

BIA – Senta-te e espera. Ele é que mandou-te chamar.

PATRICK (entra e dirige-se a Nhu Seis) – O que estás aqui a fazer? Bia, ele não comeu tudo, pois não?

BIA – Não. A tua parte ainda está na panela.

PATRICK – Para quê é que Paulito mandou-me chamar?

BIA – Ele disse para esperarem por ele. Foi buscar umas coisas, mas já volta.

PATRICK – Hoje ele não me vai pôr a chamuscar porco como noutro dia.

BIA – Hoje é para outro assunto que ele mandou-vos chamar. Tu queres que matemos o porco todos os dias?

PATRICK – E nem torresmo ele deu-me, naquele dia, para comer com cachupa.

BIA – De jeito que vocês estavam bêbados naquele dia… esqueceram-se.

NHU SEIS – Já fazias ideia de beber grogue e bafar com torresmo.

CARLOS (entra) – O que é isso, rapazes?! Há festa por aqui hoje?

BIA – Aqui há festa todos os dias.

CARLOS – Não acredito que Paulito e Bia vão-se casar e só nos convidam hoje!

BIA – Não deixes das tuas garotices. Senta-te e espera pelo Paulito.

Paulito entra e coloca um garrafão de cinco litros ao pé da mesa. Mete a mão no bolso do casaco, tira um baralho de cartas, um embrulho feito de papel do jornal e abre. Os rapazes levantam ao mesmo tempo e dirigem-se a ele, sorvendo o ar, comentando.

RAPAZES – Pilon di kusa!

PAULITO – Como é Nhu Seis? Esses olhos como Xibinho quando era rapaz!

NHU SEIS – Podes dizer o que quiseres.

PAULITO – Como deixaste a tua mulher, os filhos e as amantes?

CARLOS – Não precisas de vir com conversas. Essa coisa que tens aí, vamos já devorá-la.

PAULITO – Não te preocupes. (Aperta a mão ao Patrick) Estás como aparentas?

PATRICK – Como grilo debaixo da pedra. Kalka prutxi, froxa boâ.

PAULITO – Tu estás pior que o grilo. Já nem consegues voar!

PATRICK – Tranquiliza-nos primeiro: essa coisa que trouxeste é para nós?

PAULITO – Mais ou menos. (Entra o Djucruco) Aí vem o Djucruco. Que tal? Barriga como cão que engoliu o tacho! Sempre farto tu andas.

DJUCRUCO – Comi a minha comida. Nunca me deste um bocado da tua.

PAULITO – Quantos dez já bebeste hoje?

DJUCRUCO – Quantos me pagaste?

BIA – Hoje os meus rapazes estão todos frenéticos!

PAULITO – Já falei com a Bia, resolvemos passar a divertir-nos cá em casa.

DJUCRUCO – Divertir-nos… cá em casa?

PATRICK – Com Picapada ou funaná?

CARLOS – Se não for Picapada, nem Funaná, que seja Morna ou Coladeira.

NHU SEIS – Pra já é com Tabanca ou Batuque.

PAULITO – Já não precisamos de sair daqui para irmos jogar à casa daquela bruxa da Xia. Passamos agora a jogar aqui em minha casa.

DJUCRUCO – Eh, pah! Aguentas, Paulito? Tens tudo o que a gente vai querer?

PAULITO – Padjinha… os rapazes já viram que tenho das melhores. Grogue também… da pesada; cana-cana, lá do Bom Pau.

BIA – É verdade, rapazes. Esperamos por vós…

NHU SEIS – Esperam por nós?! Então já não cá estamos?!

DJUCRUCO – Bia deve estar bêbada. Ela acha que saímos da nossa casa para virmos aqui a toa?!

CARLOS – Vocês ligam conversa de mulher? Não foi Paulito quem nos mandou chamar? Vamos preparar onde nos sentarmos.

PAULITO – Estar comigo é estar com Deus. Bia, abre lá o baralho.

PATRICK (para Bia) – Dá-nos o baralho para escolhermos os jokers.

Cada qual procura um sítio para se sentar, Bia dá o baralho ao Patrick, vai encher grogue na garrafa e lava os copos. Paulito prepara os charros, os rapazes escolhem jokers do baralho e começam o jogo. Por cada mão do jogo Bia retira 15%. Danilson e Punoi assistem a tudo. Sempre que um deles ganha dá algum tostão aos putos.

XVIII CENA

Bia despeja uma caneca do dinheiro em cima da cama e conta. abraçam-se aos risos, tiram a roupa e deitam-se na cama.

BIA – Nunca imaginava que no jogo se ganhava tanto dinheiro!

PAULITO – Neste mundo é preciso saber viver, minha querida.

BIA – Fizemos trezentos escudos. Mais do que uma quinzena do teu trabalho com aquele ladrão do Nhu Desempate.

PAULITO – Amanhã vais ao Rubom Baleia comprar moreia fresca e vens fritar.

BIA (abraça-o) – Hoje mereces. Podes tomar ao teu apetite. Apaga o candeeiro.

Paulito assopra o podogó.

XIX CENA

Bia e Paulito jogam entre os rapazes. Danilson e Punoi vendem grogue e droga a pessoal. Num ambiente de gozo, brincadeira, agressões verbais e ameaças físicas, vão a rapaziada vai-se falindo e levantam-se um a um. Ficam Carlos, Bia e Paulito a jogar. Carlos ganha e Bia tira-lhe 15% de comissão.

CARLOS – Bia, só nós os três, tu tiras 15% para a caixa?

BIA – Eh! Quanto querias que eu tirasse? Queres jogar à borla?

PATRICK – É verdade, Bia. Pergunta ao Paulito. Ele conhece bem as regras.

PAULITO – E quem te chamou nesta conversa? Alguém pediu a tua opinião?

NHU SEIS – Meu Deus! Dê-nos paciência. Paulito, já viraste fino deste jeito?!

PAULITO – Fino de quê? Estou dentro da minha casa.

NHU SEIS – Tu sabes que nós também temos casa. E cuidado. Conforme dizem, vento no coco, coco no chão.

PAULITO – Vento no coo, coco no chão, para quê? Vocês pensam que sou…

NHU SEIS – Não precisas generalizar. Fala para quem queres dirigir.

PAULITO – Quando abria o cabouco para fazer a minha casa, não vi nenhum patife para me ajudar a segurar num lado de padiola. Carreguei o cunhal aos ombros, a minha querida com os insarços à cabeça, Danilson a preparar e entregar o barro e Punoi a dar-nos o enchimento, ninguém sentiu pena de nós.

NHU SEIS – Mal-agradecido é o que tu és. Não costumo vir ajudar-te a preparar e carregar o barro?

CARLOS – Eu também estive a ajudar-te quando punhas a cobertura. Estive a mandar os molhos de palha.

DJUCRUCO – Eu não vim mas mandei ajuda. Mandei um litro de grogue.

PAULITO – Vieram foi um dia só! Uma casa faz-se num dia? E vieram porque sabiam que havia grogue.

PATRICK – Larguem o Paulito da mão. Vocês sabem que ele é confuzento.

PAULITO – Confuzento és tu, que és mentiroso e calunioso.

Os rapazes riem-se, Carlos levanta e todos saem.

XX CENA

Bia e Paulito riem-se ao entrar no quarto e encontrar Danilson e Punoi a jogar e a fumar. Punoi guarda um pedaço de charro atrás da orelha.

PAULITO – Danilson, vai tu e Punoi chamar os rapazes para virem responder ao Paulito.

Os meninos saem, Bia arruma a casa e a rapaziada começa a chegar, menos Nhu Seis. Entram e sentam-se.

BIA – Não querem nada hoje, rapazes? Tenho postas de moreia bem grandes e estão quentinhas. E muito bem temperadas. Grogue também meço-vos copo cheio. Com kunbidu e konpostura.

DJUCRUCO – Se não melhorarem o vosso comportamento, voltaremos outra vez para Xia. Ela também não presta, mas pelo menos estamos acostumados.

PAULITO – Traz um quarto de grogue por minha conta, Bia. Bafios agora… se os rapazes querem… que comprem.

Jogam, bebem, fumam e divertem-se. Quando todos se preparam para sair:

BIA – Vocês vêm amanhã?

CARLOS – Eu ainda não sei. Tenho um cacho de banana na mira lá em Carreira. Se eu conseguir…

DJUCRUCO – Eu sou capaz de vir. Também tenho um saco de mandioca que controlei ontem em Poilãozinho, já falei com a Bajója e ela disse-me para passar lá hoje à noite. Se ela mo comprar!…

PAULITO – Os meus rapazes virão, sim. Tenho confiança neles.

BIA – Porque é que Nhu Seis não veio hoje? Não o viram?

DANILSON – Não o encontramos em casa. A porta estava fechada e não havia lá ninguém.

PATRICK – Há já uns dias que não o vejo.

PAULITO – É verdade! Durante a semana passada ele não veio cá nem um dia!

BIA – Ele deve estar metido em mais alguma encrenca. Cabeça ele tem rija!

PATRICK – Eu não sei se vou poder vir. O papai disse que vamos regar amanhã em Zimbrão.

PAULITO – Vens quando acabares a rega. Não vais lá dormir!

PATRICK – Se acabarmos cedo…

PAULITO – Fico à vossa espera.

Despedem-se.

XXI CENA

Danilson anda na terceira classe. Juvêncio e Tonecas roubam em casa e vão vender na taberna do Lelenxo.

JUVÊNCIO (tira da sacola um saco de plástico) – Nhu Léla, mamã mandou-me vender-lhe este milho para eu ir comprar materiais de escola.

Lelenxo toma o saco, mede o milho e paga-lhe.

TONECAS (entrega-lhe um saco) – Minha mãe também mandou-me vender esses ovos para comprar caderno e lápis.

LELENXO (com o saco na mão) – Quantos ovos estão aqui?

TONECAS – Seis.

Lelenxo paga-lhe também e os dois saem comentando.

JUVÊNCIO – A tua mãe não te viu a roubar-lhe o milho?

TONECAS – Não. Enquanto eu estava na cozinha a esquentar cachupa, ela no quintal a pilar o milho, eu aproveitei e retirei o milho do tambor que estava na despensa e escondi rápido na minha sacola.

JUVÊNCIO – Eu também apanhei os ovos desde ontem à tarde. À noite, quando a mamã foi ver os ninhos, não encontrou lá ovos. Disse que se calhar as galinhas foram pôr ovos noutro sítio.

Riem-se e continuam a marcha.

XXII CENA

Danilson leva uma garrafa de grogue e alguns charros na sacola. Juvêncio e Tonecas estão empolgados. Pelixo admira onde é que encontraram dinheiro. Bebem grogue e fumam droga. O sino toca para entrada, Pelixo, sem dinheiro, volta para aula e Danilson, Tonecas e Juvêncio continuam a jogar.

XXIII CENA

Danilson dormita na aula. De vez em quando Pelixo belisca-o, ele acorda e volta a dormir. O sino toca para o intervalo, ele é o primeiro a levantar-se para sair. O Professor manda-o sentar, tal qual Juvêncio e Tonecas. Os outros meninos ficam curiosos, não saem da sala.

PROFESSOR – Danilson, Juvêncio e Tonecas, vão sentar-se, preciso falar convosco. Os outros meninos podem sair para o intervalo. (Para a equipa do Danilson) Porque é que faltaram a aula passada?

Danilson arregala os olhos.

TONECAS – Stor, Danilson estava com dor de cabeça, ficamos lá com ele.

JUVÊNCIO – É verdade, stor. Ele estava com muita dor, gemia e vomitava.

O professor passa-lhe a mão na cabeça, fala com ele cheio de pena, ele finge chorar.

PROFESSOR – Por isso é que ele está com os olhos vermelhos! Porque é que não me disseste que estavas com dor de cabeça? Coitadinho! Arruma as tuas coisas e vai para a casa. Diz a tua mãe para fazer-te um chá.

TONECAS – Stor, se nos deixasse, eu e o Juvêncio, acompanhamo-lo. A cabeça pode doer-lhe pelo caminho…

PROFESSOR – Querem levá-lo?

JUVÊNCIO – Se nos deixar… Ya!

PROFESSOR – Obrigado. Arrumem os vossos livros, segurem nele e saiam. As melhoras, Danilson. Se não te sentires melhor não precisas de vir amanhã.

Colocam o Danilson no meio deles, abraçam-lhe e saem. Mal saem da porta para fora, soltam um do outro, correm e entram num pardieiro e voltam a jogar.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar